sicnot

Perfil

Desporto

Sara Moreira sofreu fratura de stress

Sara Moreira

© Damir Sagolj / Reuters

A portuguesa Sara Moreira, que desistiu durante a maratona dos Jogos Olímpicos Rio2016, sofreu uma fratura de stress, anunciou hoje o Comité Olímpico de Portugal.

"Como é de conhecimento público, a Sara Moreira apresentou queixas numa fase inicial da prova, acabando por abandonar a prova antes do quilómetro sete. A atleta foi submetida a uma ressonância magnética que revelou uma fratura de stress na zona afetada", lê-se no comunicado do COP.

No domingo, a campeã europeia da meia-maratona desistiu da maratona pouco depois da passagem pelos seis quilómetros, com o COP a relembrar que "Sara Moreira apresentou queixas físicas antes da partida para o Brasil, tendo feito exames médicos complementares, cujo relatório médico da FPA [Federação Portuguesa de Atletismo] enviado à chefia médica da Missão Olímpica dado a atleta como apta para a prova da maratona".

"Após os treinos efetuados já no Rio de Janeiro e uma ecografia realizada na cidade-sede dos Jogos Olímpicos, não houve qualquer novo dado relativamente à situação clínica da atleta", refere o organismo.

De acordo com o COP, "a atleta irá agora submeter-se a um período de recuperação que a irá afastar da competição nas próximas semanas, tendo já viajado para Portugal onde chegou esta quarta-feira de manhã".

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15