sicnot

Perfil

Desporto

Primeira campeã olímpica da ex-URSS morre aos 87 anos

A primeira campeã olímpica da antiga União Soviética (URSS), a lançadora do disco Nina Ponomareva, que conquistou o ouro em Helsínquia1952 e em Roma1960, morreu esta sexta-feira aos 87 anos, anunciou o Ministério do Desporto russo.

Nina Ponomareva entrou para a história do desporto russo pela conquista da primeira medalha olímpica, feito alcançado nos Jogos Helsínquia1952, com um lançamento de 51,42, que também foi novo máximo da competição.

"A 19 de agosto, o desporto russo sofreu uma perda irreparável", refere em comunicado o Ministério do Desporto russo no seu sítio, referindo-se à morte da antiga atleta, que se notabilizou no lançamento do disco.

Nina Ponomareva voltou a conquistar o ouro em Roma1960, depois de em Melbourne1956 a lançadora soviética ter obtido a medalha de bronze naquele concurso.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.