sicnot

Perfil

Desporto

FC Porto tenta marcar presença na Champions

ESTELA SILVA

O FC Porto vai tentar marcar presença, pela 22.ª vez, na fase de grupos da Liga dos Campeões de futebol, precisando para isso de afastar a equipa italiana da Roma, na sua própria casa.

O conjunto de Nuno Espírito Santo vai a Roma com a missão de ter de anular a desvantagem de ter sofrido um golo na primeira mão do play-off de acesso à Champions, quando empatou no Dragão 1-1, num jogo em que a sua nova conqueluche, o avançado André Silva, marcou, na conversão de uma grande penalidade.

Para poderem se juntar a Benfica e Sporting na fase de grupos - os dois já estão apurados em virtude de serem campeões e vice-campeões nacionais, respetivamente -, os azuis e brancos terão de vencer em casa da Roma, ou, em último caso, empatar com golos, sendo que o 1-1 implicaria sempre um prolongamento e eventual desempate por penáltis, enquanto que um empate com mais golos daria sempre apuramento à equipa portuguesa.

O encontro está agendado para as 20:45 locais (19:45 em Lisboa) e será arbitrado pelo polaco Szymon Marciniak.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.