sicnot

Perfil

Desporto

Treinador do Leicester afasta favoritismo mas promete luta na Champions

O treinador do Leicester City, o italiano Claudio Ranieri, afastou qualquer favoritismo no Grupo G da Liga dos Campeões de futebol, mas admitiu que a sua equipa vai entrar em campo para vencer todos os jogos.

"Mais uma vez vou dizer que não somos favoritos. Longe disso. Por esta razão, temos de lutar por tudo. Quero ver os meus jogadores a lutarem contra os melhores da Europa", afirmou Ranieri, assumindo que está "curioso" em ver a sua equipa atuar ao nível da Champions.

Estreante na competição depois de ter conquistado a Liga inglesa na última temporada, o Leicester City vai defrontar o FC Porto, Copenhaga e Club Brugge no Grupo G.

"Temos uma grande oportunidade para mostrar a nossa qualidade. Temos três deslocações difíceis, mas também sei que nos três jogos em casa podemos fazer qualquer coisa de especial", disse o treinador italiano em declarações ao site oficial do Leicester City.

Ranieri, de 64 anos, está "ansioso" para iniciar uma nova "viagem" na Liga dos Campeões e garantiu que os "foxes" estão na Champions para lutar.

"Peço aos jogadores e aos adeptos para desfrutarem desta viagem dando tudo nos jogos. Vai ser difícil, muito difícil, mas estamos aqui para ganhar jogos", frisou.

A fase de grupos da Liga dos Campeões, com a participação de Benfica, Sporting e FC Porto, arranca a 13 de setembro e termina a 07 de setembro.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.