sicnot

Perfil

Desporto

Treinador do Boavista quer o "máximo dos cuidados" no jogo com o Chaves

O treinador do Boavista disse esta sexta-feira que a sua equipa deve "ter o máximo dos cuidados" com o Chaves, equipa que os axadrezados recebem domingo, num encontro relativo à terceira jornada da I Liga portuguesa de futebol.

"Não podemos entrar demasiados confiantes por defrontarmos uma equipa que subiu esta época à I Liga. Temos que desconfiar ainda mais", alertou Erwin Sanchez, na antevisão desse jogo com os flavienses.

Realçou ainda, que, na primeira jornada, o Feirense foi ganhar ao Estoril (0-2) e por isso convém "desconfiar" e ter presente que "todas as equipas têm bons jogadores".

Sanchez acrescentou que o técnico flaviense, Jorge Simão conhece a I Liga, o que, a seu ver, é razão para "ter o máximo dos cuidados" e trabalhar para "dar mais uma alegria" aos adeptos e aos sócios.

O treinador afirmou que os jogadores estão conscientes de que é dessa forma que devem encarar o encontro com os flavienses e referiu que mal acabou o jogo com o Belenenses, na ronda anterior (0-0), começou logo a preparação para este jogo.

"Uma das coisas que falamos foi que temos de olhar sempre com respeito qualquer adversário. Não com medo, mas sim com respeito, o que passa principalmente pelo respeito que temos que ter pelo nosso profissionalismo", explicou.

Um triunfo seria bom para os jogadores "porque este vai ser um campeonato muito duro e difícil", prosseguiu Sanchez

"Temos de estar preparados para tudo, mas, acima de tudo, o pensamento está sempre na vitória", salientou, ressalvando depois que "amealhar a maior quantidade de pontos possível nesta fazer não é mau".

Nessa perspetiva, Sanchez admitiu que um empate "pode" não ser um mau resultado.

"Vamos pensar sempre na vitória. Primeiro pensar na vitória, mas tudo o que for pontos é bom. Um ponto é melhor do que zero", sustentou.

Questionado sobre as caraterísticas do Chaves, Sanchez disse esperar um "futebol direto" e aconselhou "muita atenção nas bolas paradas".

"Sabemos algumas coisas do Chaves, mas o nosso foco principal é a nossa equipa. Se fizermos aquilo que pensamos que deve ser feito estaremos mais operto de uma vitória", afirmou.

Com duas jornadas disputadas e quatro pontos somados, Sanchez é de opinião que o aspeto menos bom do Boavista é a finalização.

Na parte defensiva temos trabalhado muito bem, mas o que importa é a equipa em si", apontou.

O Boavista, 6.º classificado com quatro pontos, recebe no domingo, às 16:00, o Chaves, 11.º com um ponto, num jogo da terceira ronda da I Liga portuguesa de futebol, que será arbitrado por Luís Godinho, da Associação de Futebol de Braga.

Lusa

  • Deputados pedem medidas urgentes para travar exploração de urânio junto à fronteira
    3:06

    País

    Um projeto de exploração de urânio no município de Retortilho em Salamanca, a cerca de 40 quilómetros da fronteira portuguesa, está a causar preocupação nos dois países. Portugueses e espanhóis temem o risco de contaminação por via aérea e fluvial. Deputados portugueses visitaram o local, onde pediram medidas firmas e urgentes ao Governo para travar o projeto. As autoridades de Espanha não acionaram o mecanismo de avaliação ambiental partilhada.

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • "Os Estados Unidos são uma sociedade de pistoleiros"
    3:47
  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser derrotada

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC