sicnot

Perfil

Desporto

Treinador do Boavista quer o "máximo dos cuidados" no jogo com o Chaves

O treinador do Boavista disse esta sexta-feira que a sua equipa deve "ter o máximo dos cuidados" com o Chaves, equipa que os axadrezados recebem domingo, num encontro relativo à terceira jornada da I Liga portuguesa de futebol.

"Não podemos entrar demasiados confiantes por defrontarmos uma equipa que subiu esta época à I Liga. Temos que desconfiar ainda mais", alertou Erwin Sanchez, na antevisão desse jogo com os flavienses.

Realçou ainda, que, na primeira jornada, o Feirense foi ganhar ao Estoril (0-2) e por isso convém "desconfiar" e ter presente que "todas as equipas têm bons jogadores".

Sanchez acrescentou que o técnico flaviense, Jorge Simão conhece a I Liga, o que, a seu ver, é razão para "ter o máximo dos cuidados" e trabalhar para "dar mais uma alegria" aos adeptos e aos sócios.

O treinador afirmou que os jogadores estão conscientes de que é dessa forma que devem encarar o encontro com os flavienses e referiu que mal acabou o jogo com o Belenenses, na ronda anterior (0-0), começou logo a preparação para este jogo.

"Uma das coisas que falamos foi que temos de olhar sempre com respeito qualquer adversário. Não com medo, mas sim com respeito, o que passa principalmente pelo respeito que temos que ter pelo nosso profissionalismo", explicou.

Um triunfo seria bom para os jogadores "porque este vai ser um campeonato muito duro e difícil", prosseguiu Sanchez

"Temos de estar preparados para tudo, mas, acima de tudo, o pensamento está sempre na vitória", salientou, ressalvando depois que "amealhar a maior quantidade de pontos possível nesta fazer não é mau".

Nessa perspetiva, Sanchez admitiu que um empate "pode" não ser um mau resultado.

"Vamos pensar sempre na vitória. Primeiro pensar na vitória, mas tudo o que for pontos é bom. Um ponto é melhor do que zero", sustentou.

Questionado sobre as caraterísticas do Chaves, Sanchez disse esperar um "futebol direto" e aconselhou "muita atenção nas bolas paradas".

"Sabemos algumas coisas do Chaves, mas o nosso foco principal é a nossa equipa. Se fizermos aquilo que pensamos que deve ser feito estaremos mais operto de uma vitória", afirmou.

Com duas jornadas disputadas e quatro pontos somados, Sanchez é de opinião que o aspeto menos bom do Boavista é a finalização.

Na parte defensiva temos trabalhado muito bem, mas o que importa é a equipa em si", apontou.

O Boavista, 6.º classificado com quatro pontos, recebe no domingo, às 16:00, o Chaves, 11.º com um ponto, num jogo da terceira ronda da I Liga portuguesa de futebol, que será arbitrado por Luís Godinho, da Associação de Futebol de Braga.

Lusa

  • Marcelo condecora hoje Francisco Sá Carneiro a título póstumo
    0:55

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa vai condecorar hoje Francisco Sá Carneiro, a título póstumo. A cerimónia será incluída nas celebrações do 25 de Abril. Também a título póstumo, o Presidente da República vai ainda homenagear o antigo bispo do Porto D. António Ferreira Gomes. As condecorações têm lugar esta tarde no Palácio de Belém para onde já estava marcada a condecoração do arquiteto Siza Vieira. Todos, diz Marcelo, são figuras ligadas à liberdade e democracia.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.