sicnot

Perfil

Desporto

Treinador do Boavista quer o "máximo dos cuidados" no jogo com o Chaves

O treinador do Boavista disse esta sexta-feira que a sua equipa deve "ter o máximo dos cuidados" com o Chaves, equipa que os axadrezados recebem domingo, num encontro relativo à terceira jornada da I Liga portuguesa de futebol.

"Não podemos entrar demasiados confiantes por defrontarmos uma equipa que subiu esta época à I Liga. Temos que desconfiar ainda mais", alertou Erwin Sanchez, na antevisão desse jogo com os flavienses.

Realçou ainda, que, na primeira jornada, o Feirense foi ganhar ao Estoril (0-2) e por isso convém "desconfiar" e ter presente que "todas as equipas têm bons jogadores".

Sanchez acrescentou que o técnico flaviense, Jorge Simão conhece a I Liga, o que, a seu ver, é razão para "ter o máximo dos cuidados" e trabalhar para "dar mais uma alegria" aos adeptos e aos sócios.

O treinador afirmou que os jogadores estão conscientes de que é dessa forma que devem encarar o encontro com os flavienses e referiu que mal acabou o jogo com o Belenenses, na ronda anterior (0-0), começou logo a preparação para este jogo.

"Uma das coisas que falamos foi que temos de olhar sempre com respeito qualquer adversário. Não com medo, mas sim com respeito, o que passa principalmente pelo respeito que temos que ter pelo nosso profissionalismo", explicou.

Um triunfo seria bom para os jogadores "porque este vai ser um campeonato muito duro e difícil", prosseguiu Sanchez

"Temos de estar preparados para tudo, mas, acima de tudo, o pensamento está sempre na vitória", salientou, ressalvando depois que "amealhar a maior quantidade de pontos possível nesta fazer não é mau".

Nessa perspetiva, Sanchez admitiu que um empate "pode" não ser um mau resultado.

"Vamos pensar sempre na vitória. Primeiro pensar na vitória, mas tudo o que for pontos é bom. Um ponto é melhor do que zero", sustentou.

Questionado sobre as caraterísticas do Chaves, Sanchez disse esperar um "futebol direto" e aconselhou "muita atenção nas bolas paradas".

"Sabemos algumas coisas do Chaves, mas o nosso foco principal é a nossa equipa. Se fizermos aquilo que pensamos que deve ser feito estaremos mais operto de uma vitória", afirmou.

Com duas jornadas disputadas e quatro pontos somados, Sanchez é de opinião que o aspeto menos bom do Boavista é a finalização.

Na parte defensiva temos trabalhado muito bem, mas o que importa é a equipa em si", apontou.

O Boavista, 6.º classificado com quatro pontos, recebe no domingo, às 16:00, o Chaves, 11.º com um ponto, num jogo da terceira ronda da I Liga portuguesa de futebol, que será arbitrado por Luís Godinho, da Associação de Futebol de Braga.

Lusa

  • Prisão preventiva para homicida de Barcelos
    1:43

    País

    O alegado homicida de Barcelos vai ficar em prisão preventiva, por quatro crimes de homicídio. Adelino Briote foi ouvido este sábado de manhã no Tribunal de Braga, depois de na sexta-feira ter alegadamente degolado quatro pessoas na freguesia de Tamel, em Barcelos.

  • Homem suspeito de matar a mulher em Esmoriz

    País

    Um homem é suspeito de ter esfaqueado este sábado mortalmente a mulher em Esmoriz, concelho de Ovar, num contexto de violência doméstica, disse à agência Lusa fonte da Guarda Nacional Republicana (GNR).

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Milhares nas cerimónias fúnebres de dirigente do Hamas

    Mundo

    Milhares de palestinianos participaram nas cerimónias fúnebres de um dirigente do Hamas, assassinado esta sexta-feira, na Faixa de Gaza. Vários homens armados acompanharam o cortejo fúnebre até à mesquita, onde se fizeram as últimas orações.