sicnot

Perfil

Desporto

Morreu a ginasta que fez frente à URSS em 1968

MATEJ DIVIZNA

A antiga ginasta checa Vera Caslavska, sete vezes campeã olímpica em 1964 e 1968, que vingou os invasores soviéticos, morreu na terça-feira, aos 74 anos, vitima de doença prolongada, anunciou a agência CTK.

Caslavska conquistou três medalhas de ouro nos Jogos de Tóquio, em 1964 (concurso completo individual, trave e no salto de cavalo) e quatro no México1968 (concurso completo individual, solo, salto de cavalo e barras assimétricas), além de quatro títulos de campeã do mundo e 11 títulos europeus.

Os quatro triunfos no México, ocorridos pouco antes da invasão à Checoslováquia das tropas soviéticas, em agosto de 1968, tiveram um significado especial para a ginasta.

"Eu queria muito vencer os ginastas que representavam um país, cujo exército invadiu o meu. Eu tinha muito boas relações com Larissa Latynina e outras ginastas soviéticas, mas, no México, proibiram-nas de falar connosco, os revolucionários", contou a ginasta, em 2012, antes da apresentação do documentário "Vera 68".

STF

A ginasta foi eleita a melhor desportista mundial em 1968, um ícone da contestação ao regime comunista na então Checoslováquia e considerada uma das duas mulheres mais populares do mundo, juntamente com Jacqueline Kennedy.

Após a revolução de veludo, em 1989, foi conselheira de Vaclav Havel, Chefe de Estado após a queda do regime totalitário.

A vida Vera Caslavska sofreu um rude golpe em agosto de 1993, com a morte acidental do seu ex-marido Josef Odlozil, também antigo atleta e medalha de prata nos 1.500 metros em Tóquio1964, após uma briga com o seu filho Martin.

Com uma depressão severa, Caslavska ficou remetida a uma casa de repouso em Praga, de onde praticamente não saiu durante vários anos.

"Sinto que os milagres acontecem e que o meu pequeno anjo da guarda gosta de mim. Esteve adormecido durante muito tempo, mas acordou agora", contou a antiga ginasta, em maio de 2012, à agência AFP, depois de ter voltado à vida pública.

Lusa

  • Outros casos de fuga de prisões portuguesas
    2:58

    País

    Nos últimos cinco anos, 52 reclusos fugiram de cadeias portuguesas, mas foram todos recapturados. Entre 1999 e 2009, fugiram oito reclusos da prisão de Caxias. Em 2005, um homem condenado a 21 anos de prisão fugiu de Coimbra, viajando por França e pela Polónia. Manuel Simões acabou por ser detido no regresso a Portugal.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.