sicnot

Perfil

Desporto

Nelson Évora em oitavo no triplo salto em Zurique

Nelson Évora voltou a mostrar que está longe da sua melhor forma, ao não passar do oitavo lugar na final do triplo salto da Liga Diamante, em Zurique, com um salto de 16,48 metros.

O português, que foi sexto classificado no Rio2016, ficou longe dos melhores a competir no estádio Letzigrund, nomeadamente o norte-americano Christian Taylor, campeão olímpico e do mundo, que 'voou' a 17,80 metros.

No segundo lugar, mas a grande distância, terminou Troy Doris, da Guiana, com 17,01, e mais ninguém conseguiu passar a marca dos 17,00. Chris Carter, dos Estados Unidos, fechou o pódio, com 16,75.

Taylor - que venceu a Liga Diamante - voltou a ser o grande dominador da temporada, a exemplo da época passada, ainda para mais com a ausência do seu rival de 2015, o cubano Pedro Pablo Pichardo.

Uma das provas mais fortes em Zurique (com todas as campeãs olímpicas desde 2004) era a corrida dos 200 metros femininos, em que a campeã olímpica, a jamaicana Elaine Thompson, voltou a bater a campeã mundial, a holandesa Dafne Schippers.

Thompson terminou em 21,85 segundos, contra 21,86 de Schippers, que começou na frente mas foi passada mesmo em cima da meta. Como prémio de 'consolação', fica como a mais pontuada na Liga Diamante.

A campeã olímpica de 2012 e antiga tripla campeã do Mundo, a norte-americana Allyson Felix, teve de se contentar com o terceiro lugar, com 22,02, e a campeã olímpica de 2004 e 2008, a jamaicana Veronica Campbell-Brown, já de 34 anos, foi sexta.

Outra campeã do Rio2016 que continua em grande, passadas duas semanas, é a espanhola Ruth Beitia, que ficou sozinha no concurso do salto em altura a 1,96. Tentaria, sem sucesso, o recorde de Espanha a 2,02, mas o que fez chega para também ela triunfar na Liga Diamante.

Aos 37 anos, fecha uma época de sonho, em que se sagrou campeã olímpica, tricampeã europeia e vice-campeã do mundo em pista coberta.

O francês Renaud Lavillenie regressou à vitórias na vara, mas partilhou o primeiro lugar com o norte-americano Sam Kendricks. Na corrida à Liga Diamante, ganha o gaulês.

O circuito de meetings da Liga Diamante termina hoje e na próxima semana em Bruxelas - as duas reuniões repartem as 32 provas, em que cada vencedor recebe 40 mil dólares (35.700 euros).

Primeiros vencedores da Liga Diamante são:

Masculinos:

100 m: Asafa Powell (Jam)

400 m: Lashawn Merritt (EUA)

5.000 m: Hagos Gebrhiwet (Eti)

400 m barreiras: Kerron Clement (EUA)

Vara: Renaud Lavillenie (Fra)

Triplo: Christian Taylor (EUA)

Peso: Tom Walsh (Nzl)

Dardo: Jakub Vadlejch (Che)

- Femininos:

200 m: Dafne Schippers (Hol)

800 m: Caster Semenya (AfS)

1.500 m: Laura Muir (GB)

3.000 m obstáculos: Ruth Jebet (Brn)

100 m barreiras: Kendra Harrison (EUA)

Comprimento: Ivana Spanovic (Ser)

Altura: Ruth Beitia (Esp)

Disco: Sandra Perkovic (Cro)

Lusa

  • Nelson Évora: de Odivelas aos Jogos Olímpicos - Parte I
    22:37

    Rio 2016

    Entre imagens do passado e a evocação das Olimpíadas, a SIC acompanhou Nelson Évora no seu quotidiano. A dureza dos treinos, o esforço constante da auto-superação, a tensão nas competições e a convivência à distância com a mãe e os amigos são alguns dos momentos deste documentário em duas partes e que percorre o caminho de Odivelas até aos Jogos Olímpicos.

  • CGD terá de reconhecer imparidades e prepara saída de 2 mil funcionários
    2:45

    Caso CGD

    O novo plano estratégico da Caixa está pronto e foi entregue há duas semanas ao Ministério das Finanças. A SIC sabe que está a ser preparada a saída de 2 mil trabalhadores e que o banco terá de reconhecer imparidades. O Expresso diz que a CGD vai fechar o ano com prejuízos que podem chegar aos 3 mil milhões de euros.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.