sicnot

Perfil

Desporto

Éder faz de Ronaldo em Basileia

Éder foi o escolhido do selecionador português Fernando Santos para ocupar o lugar do lesionado Cristiano Ronaldo frente à Suíça, no arranque da qualificação para o Mundial2018 de futebol, num onze em que também aparece Bernardo Silva.

Em Basileia, na primeira jornada do Grupo B, o herói da final do Euro2016 vai ser titular e fazer dupla na frente com Nani, enquanto Bernardo Silva aparece no meio-campo da seleção nacional, no lugar de João Mário, que foi relegado para o banco de suplentes.

Como é habitual, Rui Patrício vai ser o guarda-redes de Portugal no St. Jakob-Park e terá à sua frente uma defesa composta por Cedric, na direita, José Fonte e Pepe, no meio, e Raphael Guerreiro, na esquerda, ou seja, o mesmo quarteto defensivo que defrontou a França na final do Europeu.

No meio-campo, William Carvalho será o elemento mais recuado e terá a companhia de João Moutinho, Adrien e também Bernardo Silva.

Na frente, sem Ronaldo, o capitão Nani vai ter a companhia de Éder, que a 10 de julho, em Paris, marcou o golo que garantiu a Portugal o seu primeiro título de campeão europeu.

O 21.º encontro entre Suíça e Portugal, o 12.º em solo helvético, está agendado para as 20:45 (19:45 horas de Lisboa) e terá arbitragem do espanhol Antonio Mateu Lahoz.

Lusa

  • Incêndios em Portugal - um mês depois
    9:10

    Reportagem Especial

    Regressar a casa para refazer a vida é tudo o que querem as famílias a quem o fogo levou quase tudo, há cerca de um mês. Contudo, esse regresso não tem sido fácil. Depois dos incêndios, famílias e empresas ainda têm de vencer as burocracias. A Reportagem Especial deste sábado regressa a Seia, onde arderam mais de 70 casas de primeira habitação e onde a vida de muitos parece ter entrado num impasse.

  • CIP contra 600€ de salário mínimo, ameaça boicatar iniciativas do governo
    1:28

    Economia

    O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) está contra o aumento do salário mínimo para 600€. Em entrevista conjunta à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o presidente António Saraiva considerou a proposta "uma luta partidária" dos comunistas com o Bloco de Esquerda" e ameaça boicotar a presença em iniciativas publicas, promovidas pelo executivo.