sicnot

Perfil

Desporto

Vieira acredita que Jimenéz será a "transferência mais cara" do futebol português

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, afirmou esta quarta-feira que acredita que o futebolista Raúl Jiménez vai ser, no futuro, a "transferência mais cara de sempre" do futebol português.

O presidente dos 'encarnados' afirmou que muito se falou sobre os valores da transferência do avançado mexicano, no qual o clube investiu, este ano, 12 milhões de euros na compra dos restantes 50% do passe, mas acredita no valor do futebolista.

"Se o Benfica foi campeão e chegou onde chegou na Liga dos Campeões, também o deve a ele e aos seus golos. Estou convencido de que vai justificar todo o investimento e que vai ser dos avançados mais temíveis da Europa, muito pretendido. Vai ser a transferência mais cara de sempre do futebol português, é o meu ?feeling'", disse, em entrevista à TVI.

Em relação a Luisão, Luís Filipe Vieira garantiu que o capitão dos 'encarnados' está "forte e feliz" no Benfica, negando que o clube tenha forçado da saída do defesa central, de 35 anos.

"Luisão é o meu companheiro deste percurso. O Luisão está forte e bastante feliz no Benfica. Ele acaba contrato, mas quem me conhece sabe que terei o momento certo para falar com ele", salientou, referindo que o jogador é importante para ajudar os mais jovens.

Vieira, que garantiu que o merroquino Taarabt não vai vestir mais a camisola do Benfica e que Rúben Amorim vai ser emprestado, deixou também elogios a Rafa, mais recente reforço do clube.

"Qualquer dos três [Benfica, FC Porto e Sporting] esteve interessado, o decisivo foi o Rafa. Tenho admiração pelo caráter que teve e pela maneira pronta como quis vir para o Benfica e o Benfica, possivelmente, não foi o que lhe ofereceu mais dinheiro. Joga em três posições, é jovem, tem raça e tem todos os atributos para se afirmar no Benfica", defendeu.

O presidente do Benfica, que considerou o empresário Jorge Mendes como uma "parceiro", explicou ainda que "é fácil" que a venda de Renato Sanches chegue aos 60 milhões de euros, depois de ter rendido 35 milhões numa primeira fase.

Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite