sicnot

Perfil

Desporto

Ronaldo ajuda na goleada do Real frente ao Osasuna

O futebolista português Cristiano Ronaldo só precisou de seis minutos para marcar no regresso aos relvados, inaugurando o marcador na goleada do Real Madrid face ao Osasuna (5-2), na terceira jornada da Liga espanhola.

Francisco Seco

Dois meses depois de se ter lesionado na final do Europeu, que Portugal venceu (1-0 à França, após prolongamento), Ronaldo estreou-se em 2016/17 com um tento de pé direito, ao encostar para a baliza deserta, servido por Gareth Bale.

O capitão da seleção lusa, que passou a contar 366 golos pelo Real Madrid, em 349 jogos, e 262 na Liga espanhola, em 237, acabou por sair aos 66 minutos, substituído pelo francês Karim Benzema, quando os merengues já venciam por 5-1.

O central internacional luso Pepe marcou o quarto, aos 56 minutos, depois de, até ao intervalo, faturarem outros dois defesas, o brasileiro e ex-portista Danilo, aos 40, e o 'inevitável' Sergio Ramos, já nos descontos, aos 45+1.

Os campeões europeus ainda chegaram a 5-0, com um tento do croata Luka Modric, aos 62 minutos, mas, depois, desligaram e o Osasuna marcou dois tentos, por Oriol Riera, aos 64, e David Garcia, aos 78, com Roberto Torres ainda a falhar uma grande penalidade, pelo meio, aos 73.

Aos 80 minutos, os forasteiros ficaram reduzidos a 10 unidades, com o segundo amarelo a Cayetano Bonnin, permitindo um final ainda mais descansado aos merengues, que quarta-feira recebem o Sporting, na estreia na 'Champions'.

Com este resultado, o Real Madrid, que manteve o pleno, com três vitórias em três jogos, isolou-se provisoriamente na liderança, três pontos à frente de FC Barcelona (recebe Alavés) e Las Palmas (em Sevilha), que ainda jogam hoje.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".