sicnot

Perfil

Desporto

Desportivo de Chaves continua a vender bilhetes a 80 euros

O Desportivo de Chaves, da I Liga portuguesa de futebol, informou esta segunda-feira que vai continuar a vender bilhetes a 80 euros para a receção ao Benfica, a 24 de setembro, apesar de a liga já ter dito que infringe o regulamento.

"Os 80 euros que circulam na Comunicação Social não são bilhetes de público em geral, mas sim lugares destinados a acompanhantes de sócios. Nesse sentido, os lugares apenas podem ser adquiridos para esse efeito, se houver interessados", explicou o emblema azul-grená, em comunicado enviado à Lusa.

O clube acrescentou que já esclareceu a Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) relativamente a este assunto.

Em declarações à Lusa, fonte da LPFP referiu que comunicou ao Desportivo de Chaves de que não estava a cumprir o regulamento, podendo apenas cobrar os 36,90 euros como valor máximo, dado o nível do estádio.

"Já retificaram esta situação, tendo a informação inicial sido retirada quer do sítio da internet, quer da página de Facebook", disse.

O Estádio Municipal Eng.º Manuel Branco Teixeira é considerado de nível três, logo o preço mais alto autorizado é de 30 euros mais o IVA, perfazendo 36,90 euros.

Na sua página oficial e na rede social Facebook, o clube de Trás-os-Montes, que regressou esta temporada ao escalão máximo do futebol, divulgou hoje que os bilhetes tinham um custo de 80 euros para a bancada central coberta, 26 para o topo sul e 36 para a central descoberta.

Contudo, o preço gerou polémica, tendo o emblema 'azul-grená' retirado a informação quanto ao ingresso de 80 euros.

Os sócios flavienses pagam cinco euros, exceto os que tenham Cartão Gold, que não precisam de ingresso.

O clube anunciou que os lugares para a bancada central descoberta, a 36 euros, e a topo sul, a 26 euros, estão já esgotadas.

Os sócios têm, obrigatoriamente, de comprar o bilhete para o jogo frente aos 'encarnados' até três dias antes, ou seja, 21 de setembro.

A partir desse dia, o Desportivo de Chaves também não aceita inscrever mais sócios, voltando a permiti-lo a 26 de setembro, adiantou.

Os flavienses, às ordens de Jorge Simão, ocupam o oitavo lugar da classificação com seis pontos, mantendo-se ainda invictos com três empates e uma vitória.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.