sicnot

Perfil

Desporto

"A minha filha tinha nascido há seis dias e pagaram a toda a gente menos a mim"

O médio brasileiro Anderson Talisca negou esta terça-feira que tenha saído do Benfica por dinheiro, em resposta ao presidente, Luís Filipe Vieira, e queixou-se de ter sido desrespeitado pelo clube encarnado, que o empresou ao Besiktas.

"Desde as férias que já sabia que não ia ficar, mas gostaria de deixar um recado ao presidente e ao vice-presidente Rui Gomes da Silva. Não fiquei contente que uma coisa que me fizeram e que foi uma grande falta de respeito para comigo. A minha filha tinha nascido há seis dias e pagaram a toda a gente menos a mim. Quando uma pessoa trabalha de forma correta merece ser respeitada", afirmou.

Talisca falava à Sport TV, no Estádio da Luz, depois de ter marcado o golo do empate do Besiktas frente ao Benfica (1-1), na primeira jornada do Grupo B para a Liga dos Campeões.

"Não marquei o meu golo por vingança, mas por orgulho próprio. Houve várias pessoas do clube que me criticaram, que vieram dizer que saí do Benfica por causa de dinheiro e isso é uma mentira", disse Talisca após a partida com o Benfica.

Talisca foi emprestado pelo Benfica ao Besiktas por uma época, com opção de compra no final desta.

Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.