sicnot

Perfil

Desporto

Treinador Franck Dumas condenado a três anos de prisão por fraude fiscal

O treinador Franck Dumas foi condenado esta terça-feira a três anos de prisão por fraude fiscal, mas a leitura da sentença foi marcada pela ausência em tribunal do antigo técnico do Caen e ex-futebolista do Mónaco, Marselha e Newcastle.

Franck Dumas, de 48 anos, orientou o Caen entre 2005 e 2012 na I Liga do futebol francês, e o tribunal considerou que o treinador, presentemente a viver na Guiné Equatorial, deve cerca de 557.000 euros ao fisco, 450.000 dos quais relativos a rendimentos de 2012.

O treinador gaulês, que não compareceu à leitura da sentença nem se fez representar, escreveu da Guiné Equatorial em agosto ao tribunal dando conta do seu desejo de liquidar o valor em dívida.

O juiz Christophe Subts, do tribunal de Caen, referiu-se de forma mordaz ao comportamento de Franck Dumas e da sua mulher, considerando que "no desporto algumas vezes o dinheiro desaparece".

Enquanto jogador, Franck Dumas realizou mais de 500 jogos ao mais alto nível pelo Caen, Mónaco - clube com o qual se sagrou campeão francês - e Marselha. O médio realizou ainda seis jogos pelos ingleses do Newcastle, em 2000.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.