sicnot

Perfil

Desporto

Iordanov sobe ao Marquês de Pombal pelo Sporting "se for preciso"

O antigo futebolista búlgaro do Sporting Iordanov, que celebrou o título após jejum de 18 anos colocando um cachecol na estátua do Marquês de Pombal, Lisboa, em 2000, quer voltar a festejar e, "se for preciso" repetir a façanha.

"Espero bem que sim. Com muito prazer vou festejar o título do Sporting lá em Lisboa. Se for preciso, vou subir, com muito gosto", disse, na Embaixada de Portugal em Sofia, onde o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, teve um encontro com a comunidade portuguesa e a Câmara de Comércio e Indústria Luso-Búlgara, da qual o primeiro capitão de equipa estrangeiro dos 'leões' faz parte.

Ivaylo Stoimenov Iordanov, agora com 48 anos, alcançou 50 internacionalizações pela Bulgária, colaborando no quarto lugar da seleção no Mundial EUA94, ao lado do então colega do Sporting Krassimir Balakov, do rival do FC Porto Emil Kostadinov ou do histórico goleador do FC Barcelona Hristo Stoichkov.

O búlgaro representou o Sporting entre 1991 e 2001, quando abandonou a carreira em virtude da esclerose múltipla que lhe tinha sido diagnosticada em 1997. Pelos 'verde e brancos' atuou em mais de 200 desafios e apontou 71 golos.

"Ontem [quarta-feira] vi o jogo, infelizmente o Ronaldo, que é fruto das escolas do Sporting, deu a vitória ao Real Madrid, mas penso que o Sporting jogou muito bem", comentou sobre a derrota (2-1) da véspera do clube lisboeta em visita ao Real Madrid, na primeira jornada do Grupo F da Liga dos Campeões.

O jogador português dos 'merengues' empatou a partida já aos 89 minutos e Morata fez o resultado final aos 90+4.

Sobre o treinador do Sporting, transferido há um ano do rival Benfica, Jorge Jesus, a glória 'leonina' escusou alongar-se em comentários: "sou treinador e não posso falar de treinadores. É meu colega também", disse o atual técnico adjunto do clube da I Liga búlgara Beroe Stara Zagora, terceiro classificado.

"Fui muito novo e tornei-me homem em Portugal, para onde fui muito novo e o que sou hoje devo a Portugal, meu segundo país", declarou, contando que a filha mais velha frequenta o 3.º ano de um curso superior de Direito em Portugal e, como ainda possui casa em Lisboa, é "sempre cá e lá, um vai-e-vem", com o filho mais novo e a mulher.

Relativamente ao convite que lhe foi endereçado para a "boa iniciativa para juntar ainda mais os povos português e búlgaro e fazer essa ligação", Iordanov vê-se como um "relações públicas com muito gosto" por ser "conhecido em Portugal e na Bulgária".

Lusa

  • Costa desvaloriza ameaça e mantém planos de visita a Angola
    2:27

    Economia

    O governo angolano reagiu duramente à acusação do Ministério público portugues contra o vice-presidente de Angola. Luanda diz que a acusação é um sério ataque à República de Angola que pode perturbar as relações entre os dois paises. António Costa desvaloriza a ameaça e mantém os planos de uma visita a Angola na primavera.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.