sicnot

Perfil

Desporto

Liga de futebol americano investe mais 100 milhões no combate a lesões cerebrais

© Reuters

A liga de futebol americano dos EUA (NFL) anunciou um investimento adicional de 100 milhões de dólares para o desenvolvimento de tecnologias e apoio à investigação a pensar no grave problema das lesões cerebrais que sofrem os jogadores.

O comissário da NFL, Roger Goodell, anunciou na quarta-feira a iniciativa "Play Smart. Play Safe" ("Joga de forma inteligente, joga de forma segura") numa carta aberta que o seu gabinete deu a conhecer através dos meios de comunicação social.

Segundo um estudo, divulgado em abril, pela Academia Americana de Neurologia, mais de 40% dos ex-jogadores da liga de futebol americano dos Estados Unidos mostram sinais de lesões cerebrais.

"Podemos e faremos melhor", afirmou Roger Goodell, referindo que não estar satisfeito, tal como os donos das 32 equipas da NFL, no que diz respeito à prevenção das lesões na cabeça que sofrem os jogadores da modalidade.

Ao abrigo dessa iniciativa, 60 milhões de dólares vão ser canalizados para o desenvolvimento de tecnologia, como capacetes melhorados, e 40 milhões destinados à investigação médica.

O programa abarca áreas como proteção dos jogadores, avanços tecnológicos e investigação médica

A NFL e os seus associados já gastam 100 milhões de dólares em investigação e novas tecnologias.

Foi alcançado um acordo que prevê o pagamento de 1.000 milhões de dólares durante 65 anos a mais de 20 mil jogadores retirados, que sofreram graves problemas de saúde depois de deixarem a competição.

Roger Goodell escreveu na mesma missiva que a NFL "conseguiu importantes progressos em matéria de saúde e segurança. Fizemos mudanças nas regras relativas à segurança, incentivámos avanços nos equipamentos, melhorámos os protocolos médicos e mudámos a maneira como ensinamos a modalidade".

O comissário da NFL reiterou que essa será sempre a primeira prioridade a ter de modo a garantir uma melhor proteção para os jogadores de futebol americano.

"Com toda a razão, a maior parte da discussão pública é sobre as lesões cerebrais, como ocorrem, como podem ser prevenidas, como se tratam e o que se conhece sobre o seu impacto a longo prazo", realçou.

Sob a nova iniciativa, a NFL vai criar um grupo especializado para lhe facultar assessoria independente, composto por médicos e cientistas, para "identificar e apoiar as propostas mais convincentes para a investigação científica sobre concussões cerebrais, lesões na cabeça e os seus efeitos a longo prazo", escreveu ainda Roger Googell.

A NFL foi fortemente criticada nos últimos anos por ter durante um longo período de tempo subestimado o impacto dos choques físicos na saúde dos jogadores, uma problemática retratada no filme "Concussion" ("Concussão") que tem Will Smith como protagonista.

Lusa

  • Admissão de efetivos nas Forças Armadas aquém do pedido pelas chefias
    1:42

    País

    O Ministério das Finanças autorizou a admissão de mais efetivos nas forças armadas, este ano mas a integração fica muito abaixo do número pedido pelas chefias militares. Mário Centeno só terá autorizado a integração de cerca de três mil militares em vez das cinco mil vagas propostas pelas chefias do Exército, Força Aérea e Marinha.

  • Primeiro eclipse solar 100% visível nos EUA em 38 anos
    0:40
  • Pyongyang acusa Washington de atirar "achas para a fogueira"
    1:47

    Mundo

    A Coreia do Sul e os Estados Unidos iniciaram esta segunda-feira exercícios militares conjuntos. As manobras militares procuram ensaiar respostas a uma hipotética invasão da Coreia do Norte. Pyongyang já reagiu e diz que Washington está a atirar "achas para a fogueira". 

  • "É muito importante que os EUA mostrem determinação política e militar"
    0:50

    Mundo

    Os exércitos da Coreia do Sul e dos Estados Unidos iniciaram hoje as manobras anuais numa altura marcada pela recente escalada de tensão entre Pyongyang e Washington. Para Miguel Monjardino, comentador da SIC, estes exercícios militares são encarados como uma provocação para a Coreia do Norte. Monjardino defende que é importante que os EUA mostrem determinação no atual clima de tensão nuclear.

  • China prepara-se para inaugurar comboio mais rápido do mundo
    1:08
  • Morreu o rei da comédia
    2:08

    Cultura

    Um dos grandes nomes do humor norte-americano morreu ontem, aos 91 anos. Jerry Lewis era comediante, ator, argumentista, cantor e realizador. Considerado o rei da comédia, Lewis influenciou diferentes gerações de comediantes e foi defensor de várias causas humanitárias, entre as quais a distrofia muscular.

  • A insólita entrevista de Jerry Lewis que se tornou viral
    2:39

    Cultura

    Jerry Lewis concedeu no início deste ano uma entrevista insólita que se tornou viral nas redes sociais. O comediante decidiu, pura e simplesmente, não colaborar com o entrevistado. Lewis tinha na altura 90 anos e continuava a trabalhar, tendo participado no filme "Max Rose", em 2016.