sicnot

Perfil

Desporto

Portugal desce para sétimo lugar no ranking da FIFA

© Reuters

A seleção portuguesa de futebol, campeã europeia, desceu esta quinta-feira um lugar no ranking da FIFA. passando a ocupar a sétima posição, numa classificação que continua a ser liderada pela Argentina.

A equipa orientada pelo selecionador Fernando Santos, que se estreou na fase de qualificação para o Mundial 2018 com uma derrota na Suíça, por 2-0, foi uma das seleções ultrapassadas pelo Brasil, protagonista do maior salto entre os 10 primeiros colocados, ao subir do nono para o quarto posto.

A Argentina, vice-campeã mundial, continua no topo da lista, imediatamente à frente da Bélgica e da Alemanha, atual campeã do mundo, que ultrapassou na terceira posição a Colômbia, relegando a seleção sul-americana para o quarto lugar.

Tal como Portugal, também o Chile (sexto) e a França (oitava) foram superados pelo Brasil, enquanto o Uruguai e o País de Gales, nono e 10.º posicionados, respetivamente, entraram no top dez, por troca com a Espanha e a Itália.

Ranking da FIFA (15 setembro 2016)

1. (1) Argentina

2. (2) Bélgica

3. (4) Alemanha

4. (3) Colômbia

4. (9) Brasil

6. (5) Chile

7. (6) Portugal

8. (7) França

9. (12) Uruguai

10. (11) País de Gales

A Suíça é o mais bem classificado dos cinco adversários de Portugal no Grupo B da qualificação europeia para o Mundial 2018, tendo subido de 18.º para 16.º, à frente da Hungria (de 19.ª para 20.ª), Letónia (subiu 15 posições, para 95.ª), Ilhas Faroé (subiu de 135.º para 111.º) e Andorra (203.ª).

Entre os países lusófonos, Cabo Verde protagonizou uma queda acentuada, de 58.º para 72.º, imediatamente à frente da Guiné-Bissau (72.ª), ao contrário de Moçambique, que subiu de 98.º para 89.º, tendo Angola descido dois lugares, para 134.º, e São Tomé e Príncipe subido outros tantos, para 151.º.

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.