sicnot

Perfil

Desporto

UEFA compara Champions a "clube fechado" e promete mexer na prova

© Reuters Staff / Reuters

O recém-eleito presidente da UEFA, o esloveno Aleksander Ceferin, disse esta sexta-feira temer que a Liga dos Campeões de futebol se esteja a transformar num "clube fechado" e elegeu como prioridade rever o atual sistema competitivo.

"A Liga dos Campeões não pode continuar nesta direção, pois isso irá levar à formação de um clube fechado", considerou Aleksander Ceferin, acrescentando que o atual modelo competitivo da Liga dos Campeões privilegia os principais campeonatos.

Aleksander Ceferin, que falava na primeira conferência de imprensa promovida na Eslovénia desde que foi eleito na quarta-feira presidente da UEFA, em Atenas, adiantou que pretende reunir com os presidentes dos principais clubes europeus para saber o que fazer.

O dirigente reconheceu que será muito difícil reduzir as diferenças entre os clubes mais e menos ricos, mas sublinhou a necessidade de alterar o atual sistema, que permite aos mais poderosos disputar uma prova fechada e evitar assim a dispersão e a repartição das receitas.

"O principal problema relativamente à Liga dos Campeões é que ninguém foi informado das alterações ao sistema competitivo e só soubemos disso já no final", considerou Ceferin, que sucede ao francês Michel Platini na presidência da UEFA.

Uma das alterações recentemente introduzidas pela UEFA, para o período de 2018-2021, prevê que os quatro principais campeonatos - Espanha, Inglaterra, Alemanha e Itália - beneficiem automaticamente de quatro lugares na Liga dos Campeões.

"Uma das primeiras tarefas que irei realizar na UEFA é a de examinar pormenorizadamente o atual sistema competitivo da prova e reunir com os presidentes dos principais clubes e decidir o que fazer no futuro", adiantou Ceferin.

Alguns representantes de federações europeias manifestaram já ao novo presidente da UEFA a necessidade de rever o quadro competitivo da Liga dos Campeões.

Lusa

  • Mais de 1600 fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado fez mais de 1600 ações de fiscalização a Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS), das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público. Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.