sicnot

Perfil

Desporto

Ecclestone admite abandonar a Fórmula 1

​Bernie Ecclestone afirmou domingo que poderá abandonar a Fórmula 1 devido a problemas com a Liberty Media, empresa do magnata norte-americano John Malone, que comprou recentemente os direitos do Campeonato do Mundo.

Em declarações à Sky Sports, o empresário britânico, de 85 anos, mostrou-se desagradado com algumas das decisões de Malone, sobretudo por ter nomeado Chase Carey como presidente, um norte-americano que liderava a produtora de filmes 21st Century Fox.

"Graças a Deus que não preciso do dinheiro, não preciso de um emprego e, se eu achar que as decisões que estão a ser tomadas não são as corretas, desapareço de certeza", afirmou Ecclestone.

Recentemente, o multimilionário norte-americano John Malone anunciou a aquisição dos direitos do Campeonato do Mundo de Fórmula 1 por oito mil milhões de dólares (cerca de sete mil milhões de euros).

Em comunicado distribuído pela Liberty Media, empresa do magnata norte-americano, foi esclarecido que Bernie Ecclestone, até agora o 'patrão' da Fórmula 1, se manterá vinculado à modalidade 'rainha' do desporto automóvel como diretor-executivo.

O Grande Prémio de Singapura foi o primeiro sob gerência norte-americana.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.