sicnot

Perfil

Desporto

AMA está a trabalhar com especialistas informáticos para prevenir novos ataques

reuters

A Agência Mundial Antidopagem (AMA) está a trabalhar com especialistas em segurança informática, a fim de prevenir e assegurar que não haja novos ataques ao seu sistema, depois 'hackers' terem divulgado informação de desportistas.

"A AMA analisa seriamente a situação que afeta a privacidade dos desportistas. O grupo teve acesso à conta dos Jogos Olímpicos Rio2016, através dos endereços de email do sistema, mas não temos razão para crer que tiveram acesso a algo mais amplo", referiu a agência.

O organismo, presidido pelo britânico Craig Reedie, salientou também que "está em contacto com as agências antidopagem nacionais e as federações internacionais afetadas, para o caso de necessitarem de apoio aos desportistas mencionados".

Os desportistas e outros utilizadores do sistema ADAMS, base de dados do sistema de administração e gestão antidopagem, foram igualmente convidados a contactarem a AMA caso tenham dúvidas ou suspeitem de algo diferente nas suas contas de email.

A 13 de setembro, a AMA informou que um grupo de piratas informáticos russo, conhecido como 'Fancy Bears' ou 'Tsar Team', acedeu ilegalmente à base de dados do sistema de administração e gestão antidopagem da agência, criado para seguir os controlos feitos aos atletas.

O ataque informático, que levou já o ministro russo dos Desportos, Vitaly Mutko, a negar qualquer envolvimento do seu governo, terá sido feito através de uma conta do Comité Olímpico Internacional (COI), criada a propósito dos Jogos Rio2016.

O grupo acedeu a informação de desportistas, incluindo a dados médicos confidenciais, tais como isenções por uso terapêutico de medicamentos nos Jogos do Rio2016 autorizadas por federações internacionais e organizações nacionais antidopagem, de acordo com a AMA.

Da primeira lista de nomes constavam campeãs olímpicas dos Estados Unidos, como as tenistas Serena e Venus Williams e a ginasta Simone Biles, com a segunda a visar atletas britânicos, como Chris Froome ou Bradley Wiggins, e a terceira a incluir a estrela maior da natação espanhola, Mireia Belmonte.

Na segunda-feira foram também avançados os nomes do tenista espanhol Rafael Nadal e o atleta britânico Mo Farah.

Na ficha de Nadal pode ver-se que o tenista espanhol foi autorizado, pelo médico da Federação Internacional de Ténis, Stuart Miller, a receber duas doses intramuscular de betametasona, a 23 de setembro de 2009, e várias doses de uma substância corticoide, a 30 de julho de 2012, durante os Jogos Olímpicos Londres2012.

No caso de Mo Farah, quatro vezes campeão olímpico (nos 5.000 e 10.000 metros), as autorizações remontam a outubro de 2008 e julho de 2014 e dizem respeito ao corticosteroide triancinolona e a morfina.

Após compilar dados, e de acordo com o diretor geral da AMA, Olivier Niggli, o organismo não tem dúvidas de que os ataques em curso constituem uma forma de retaliação contra a agência e o sistema antidopagem mundial devido ao relatório McLaren, divulgado a 18 de julho, que revelou a existência de um esquema de 'doping' patrocinado por Moscovo

  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.