sicnot

Perfil

Desporto

Dortmund vence e iguala Bayern na Bundesliga

Raphael Guerreiro começou esta sexta-feira o jogo no banco de suplentes, mas entrou e ainda foi a tempo de marcar, na vitória do Borussia de Dortmund sobre o Friburgo (3-1), jogo da quinta jornada da liga alemã de futebol.

Com este resultado, o Dortmund chega aos 12 pontos no campeonato, tantos quantos tem o líder Bayern de Munique, que no sábado joga em Hamburgo.

O internacional português foi um dos jogadores poupados por Thomas Tuchel, já com a mente virada para a receção ao Real Madrid, na terça-feira, em jogo para a Liga dos Campeões, tanto mais que na passada terça-feira a equipa tinha jogado em Wolfsburgo (vitória por 5-1).

Raphael Guerreiro entrou aos 71 minutos para o lugar de Mario Goetze, quando a equipa da casa ganhava por 2-1. Marcou o terceiro da sua equipa, aos 90+1 minutos, a confirmar a vitória.

O gabonês Aubameyang abriu a contagem, aos 45, e o polaco Lukasz Piszczek elevou para 2-0, aos 53, antes de Maximilian Phillip reduzir, aos 60.

O Dortmund, vice-campeão em título, integra o grupo F da Liga dos Campeões, juntamente com Sporting, Real Madrid e Legia de Varsóvia. Na primeira ronda goleou por 6-0 em Varsóvia e terá o primeiro cruzamento com o Sporting a 18 de outubro, no estádio José Alvalade.

Lusa

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.