sicnot

Perfil

Desporto

FC Barcelona goleou Gijón e iguala provisoriamente Real Madrid na liderança

Jose Luis Cereijido

O FC Barcelona, com André Gomes a titular, goleou este sábado em casa do Sporting Gijón, por 5-0, na sexta jornada da Liga espanhola de futebol, e juntou-se provisoriamente na liderança ao Real Madrid.

Os golos do brasileiro Neymar, aos 81 e 88 minutos, do seu compatriota Rafinha, aos 32, do uruguaio Luis Suárez, aos 29, e do turco Arda Turan, aos 85, valeram o quarto triunfo dos catalães, que somam agora os mesmos 13 pontos dos madridistas, que ainda hoje defrontam o Las Palmas.

A resistência da formação asturiana durou 29 minutos, altura em que Suárez, lançado por Turan, contornou o guarda-redes Pichu Cuéllar e fez o primeiro golo para o FC Barcelona.

Três minutos após o golo de Suárez, Rafinha, chamado à titularidade pelo treinador Luis Enrique, que não pôde contar com o argentino Lionel Messi, por lesão, elevou a vantagem dos catalães, com um cabeceamento fulgurante.

Na segunda parte, com o encontro controlado, em gestão de esforço e com o Sporting Gijón reduzido a 10 unidades por expulsão de Alberto Lora, aos 74 minutos, o campeão espanhol ainda marcou por mais três vezes nos últimos 10 minutos.

Neymar, aos 81 minutos, na recarga a um remate de Paco Alcácer desviado para a barra pelo guarda-redes Pichu Cuéllar, e aos 88, e Turan, aos 85, foram os autores dos golos que transformaram em goleada o triunfo sobre o Sporting Gijón.

No encontro que antecedeu a receção do Sporting Gijón ao FC Barcelona, o Eibar venceu em casa a Real Sociedad, por 2-0, com um autogolo de Asier Illarramendi, aos 57 minutos, e um golo do português Bebé, aos 66.

Além da visita do Real Madrid ao Las Palmas, sexto com nove pontos, defrontam-se ainda hoje Athletic Bilbau e Sevilha, no País Basco.

Lusa

  • "Não há nenhuma meta com Bruxelas", garante Centeno no Parlamento
    0:57

    Economia

    O ministro das Finanças afirma que o Programa de Estabilidade é debatido em Lisboa e não em Bruxelas.Esta manhã, no Parlamento, Mário Centeno assegurou ainda que as metas são as mesmas com que se comprometeu no programa do Governo e garante que não há nenhuma meta acordada com Bruxelas.