sicnot

Perfil

Desporto

João Sousa eliminado na primeira ronda no torneio de ténis de Chengdu

Reuters

O tenista português João Sousa, sétimo cabeça de série, foi hoje eliminado na primeira ronda do torneio de Chengdu, na China, ao perder com o russo Karen Khachanov, por 7-6 (7-3) e 6-3.

Uma semana depois de ter chegado aos quartos de final em São Petersburgo, na Rússia, o jogador vimaranense, 34.º do 'ranking' mundial, esteve apenas uma hora e 17 minutos no 'court' frente ao 101.º da classificação ATP, de 20 anos.

"É um jovem que joga muito bem. A verdade é que não fiz a melhor das exibições, mas também não penso que tenha jogado mal", resumiu João Sousa.

Após um primeiro 'set' equilibrado, que se decidiu no 'tie-break', Khachanov desequilibrou o encontro na segunda partida, ao concretizar um dos dois pontos de 'break' de que dispôs, enquanto o número um português, de 27 anos, nunca esteve em posição de quebrar o serviço do adversário.

"Entrei bem no primeiro 'set', tive oportunidades para fechar a servir, inclusive uma bola de 'set'. As coisas não caíram para o meu lado e ele começou a jogar um pouco melhor. No 'tie-break' foi melhor do que eu. Depois, no segundo 'set', andei atrás do marcador. Uma perda de concentração fez com que me fizesse um 'break' e depois serviu bem para fechar o encontro", explicou o minhoto.

  • "É pesado dizer a miúdos que ainda ontem os pais estavam a ensinar o atar ténis que vão ficar em prisão preventiva"
    2:49
  • Pecado da gula ameaça maior anfíbio do mundo

    Mundo

    O maior anfíbio do mundo está em sério risco de extinção. Iguaria muito apreciada no Oriente, a salamandra-gigante-da-China já praticamente desapareceu do seu habitat natural, concluiu uma pesquisa realizada durante quatro anos. Em contraste, milhões de animais são reproduzidos em cativeiro e têm como destino restaurantes de luxo.

  • Gases tóxicos expelidos pelo Kilauea ameaçam a população no Havai
    1:51
  • Gilberto Gil cancela atuação em Israel

    Cultura

    O músico brasileiro Gilberto Gil cancelou a atuação que tinha marcada para Telavive, em Israel, no dia 4 de julho, na sequência de protestos em Gaza durante os quais o exército daquele país matou 60 palestinianos.