sicnot

Perfil

Desporto

Sam Allardyce apanhado a dar conselhos para contornar regras de transferências

© Reuters

O selecionador inglês de futebol, Sam Allardyce, foi apanhado numa investigação de um jornal a dar conselhos sobre a forma de contornar as regras de transferências e a federação prometeu analisar os factos.

O técnico foi filmado secretamente por repórteres do jornal britânico Daily Telegraph, que se apresentaram como investidores asiáticos, e revelou formas de circundar os regulamentos de transferências da Federação Inglesa de Futebol (FA), nomeadamente a propriedade de passes de jogadores por parte de terceiros.

Durante o vídeo, Allardyce aceita viajar a Singapura e Hong Kong como embaixador da empresa fictícia, a troco de 400 mil libras (461 mil euros).

Allardyce criticou ainda o antigo selecionador inglês, Roy Hodgson, afirmando que foi "muito indeciso" na gestão do Euro 2016, e que devia ter mandado "sentar e calar" Gary Neville, na altura treinador adjunto, assim como considerou "estúpido" gastar mil milhões de euros para reconstruir o Estádio de Wembley, em Londres.

Martin Glenn, presidente da FA, quer reunir todos os factos relacionados com a questão, no entanto considera que "não é apropriado fazer pré-julgamentos".

"Com estas coisas temos que respirar fundo, ter todos os dados e ouvir todas as partes", disse ao jornal Times.

Com 61 anos, Sam Allardyce foi nomeado selecionador de Inglaterra em julho e no seu primeiro e único jogo oficial venceu a Eslováquia (1-0), no apuramento para a Mundial 2018 na Rússia.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.