sicnot

Perfil

Desporto

Comissão antiviolência espanhola multa seis adeptos do Sporting por desacatos

JuanJo Martin

A Comissão Antiviolência de Espanha pretende multar seis adeptos do Sporting por distúrbios perpetrados em Madrid, há duas semanas, em jogo da Liga dos Campeões de futebol frente ao Real.

Segundo informou o Conselho Superior de Desportos (CSD) espanhol, que também se propõe multar o Real Madrid, entre os adeptos só os portugueses serão penalizados, todos por desacatos e vários "com claros sintomas de embriaguez".

Os adeptos são acusados de utilização de material pirotécnico e de fumos, arremesso de cerveja a um agente policial, agressão a um adepto 'merengue' e rixa.

Em causa multas pecuniárias de 1.500 a 3.001 euros e proibição de frequentar recintos desportivos entre três a seis meses.

O Real Madrid deverá pagar 3.001 euros por deficiências nas medidas de controlo de acesso e permanência de adeptos.

O Real Madrid venceu por 2-1, com a reviravolta já nos últimos minutos, na primeira jornada da Liga dos Campeões.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Casa Madonna di Fatima em Roma é um lar de idosos com 9 irmãs portuguesas
    4:29

    Mundo

    A mais antiga igreja dedicada à Senhora de Fátima em Roma tem mais de 50 anos. Foi construída pelas franciscanas hospitaleiras do Imaculado Coração, uma congregação fundada em Portugal. Hoje, as religiosas portuguesas gerem um lar na mesma rua, mas o templo foi entregue a uma congregação italiana.