sicnot

Perfil

Desporto

Bruno de Carvalho afirma estar mais focado nos títulos do que nas eleições

O presidente do Sporting disse este sábado que a sua direção está mais empenhada em alcançar títulos nas várias modalidades do que com as eleições no clube, agendadas para março de 2017.

Bruno de Carvalho, num discurso perante cerca de 500 adeptos presentes num almoço organizado pelo Núcleo Sportinguista de Braga, salientou que há ainda muito a fazer para garantir o sucesso do emblema de Alvalade nas várias competições, algo prioritário, a seu ver, face à preparação da sua recandidatura para o ato eleitoral.

"Há muito trabalho para se fazer, para se estar, neste momento, a pensar em eleições. Devemo-nos preocupar com que este seja um ano memorável para o Sporting. A nossa esperança é juntar vários títulos este ano, após a aposta forte no futebol, no atletismo, no hóquei, no futsal e nas mais de 50 modalidades", adiantou.

Afirmando o eclectismo e o estatuto de crónico candidato ao título de futebol como partes do 'adn' do Sporting, o dirigente 'verde e branco' disse acreditar que o apoio dos adeptos do clube pode ser preponderante para a obtenção dessas metas, frisando que têm de ser a "força" do clube "em cada sítio" e o "elemento extra", que faz passar o Sporting do "muito bom" para a "excelência".

"Espero que, este ano, possamos marcar para sempre a história do Sporting com vários títulos e que comemoremos na nossa casa, no nosso estádio e no nosso pavilhão", sublinhou, desejando um triunfo já hoje em Guimarães, no jogo contra o Vitória, da sétima jornada da I Liga de futebol.

Bruno de Carvalho admitiu, porém, que o ano vai ser diferente por causa das eleições, tendo reiterado que todos os sócios têm o "direito" a candidatarem-se e que o Sporting tem de saber "respeitar", "ouvir" e "tomar as decisões na altura certa", ao mesmo tempo que apelou à tolerância.

"Temos de ser tolerantes. Não quero voltar a viver um Sporting como vivi nas minhas primeiras e segundas eleições. Um Sporting que não quer ouvir, que não deixa as pessoas falarem. Eu gostava que pudéssemos viver estas eleições com elevação", pediu.

O responsável máximo dos 'leões', que atribuiu o mérito do prémio Rugido Minhoto, atribuído pelo núcleo bracarense, pelos "órgãos sociais", "atletas" e "colaboradores" até aos "3,5 milhões de sportinguistas", referiu que os sócios e adeptos devem estar unidos em torno do clube e não de uma pessoa, notando que "havia Sporting antes de Bruno de Carvalho" e continuará a haver depois disso.

O dirigente 'leonino' alertou ainda para a "campanha de desestabilização" que pode surgir em torno do clube durante a época e pediu aos sportinguistas presentes que se concentrem no clube para ultrapassarem os obstáculos que vão aparecer no caminho.

Bruno de Carvalho criticou ainda a denominação por vezes atribuída ao clube no estrangeiro, realçando que o emblema 'leonino', apesar de ter "sede em Lisboa", orgulha-se de ser "o clube de Portugal".

A atleta sportinguista Sara Moreira, que esteve no Rio2016, recebeu também o prémio Rugido Minhoto e revelou que, desde que começou a correr, com nove anos, que gostaria de representar o emblema 'verde e branco', onde corriam muitos campeões, e agradecendo o trabalho de Bruno de Carvalho nas modalidades.

"Desde que aceitei fazer parte do Sporting, a minha carreira tem estado sempre a subir e os resultados têm sido cada vez melhores. O Sporting, nos últimos anos, deu uma reviravolta, que se deve ao nosso presidente, porque continuou a apoiar as modalidades. Tenho a estabilidade que tenho, graças ao meu clube", disse.

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.