sicnot

Perfil

Desporto

Dulce Félix termina meia-maratona de Lisboa em sexto lugar

Ana Dulce Félix concluiu este domingo a quarta edição da meia-maratona de Lisboa na sexta posição, com o tempo de 1:16.19 horas, tendo cortado a meta praticamente 'colada' a Doroteia Peixoto, que gastou mais um segundo (1:16.20).

Numa prova ganha pela etíope Genet Yalew, com 1:10.25 horas, Vera Nunes foi a terceira atleta portuguesa a integrar o 'top 10, tendo ficado na nona posição, com 1:16.30 horas.

"Decidi aceitar o convite da organização, mas não defini nenhum objetivo muito rígido. Mas, ao longo da corrida, acabei por me entusiasmar, mas sem forçar qualquer andamento", frisou hoje à agência Lusa a atleta do Benfica, que admitiu ainda estar longe da sua melhor forma, pois só regressou aos treinos há cerca de três semanas.

A corredora adiantou: "Esta é a minha primeira prova depois dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro e, naturalmente, tenho a preparação atrasada para poder discutir um lugar no pódio com as atletas africanas. O meu principal objetivo, agora, é ajudar o meu clube, o Benfica, nas competições de estrada e nos nacionais de corta-mato. Espero estar em boa forma a partir dos meses de fevereiro ou março", adiantou Ana Dulce Félix.

Doroteia Peixoto terminou a meia-maratona cansada, mas feliz da vida com a sua atuação. "A Dulce é que puxou por mim e não o contrário", admitiu Doroteia, sétima classificada desta prova.

Igualmente de 'águia' ao peito, Samuel Barata repetiu o sétimo lugar alcançado na meia-maratona de 2015, mas melhorando o seu registo pessoal - finalizou o percurso em 1:15.16, contra 1:16.14 no ano passado.

"Estou muito feliz por voltar a ser o melhor português. Senti-me bem ao longo da prova. O excesso de vento foi o principal problema em algumas zonas do percurso", constatou Samuel Barata, que teve à sua frente seis fundistas africanos numa prova ganha pelo eritreu Nguse Amsolom, com 1:02.39 horas.

Lusa

  • "Nos últimos 14 anos alertámos que este dia iria voltar"
    3:50

    País

    O vice-presidente da Câmara de Mação diz que se sente humilhado com o recurso a meios espanhóis para o combate ao fogo no concelho. Em entrevista à SIC, António Louro, que é também engenheiro florestal, critica os vários governos e afirma que nada disto teria acontecido se tivessem ouvido os apelos desesperados da autarquia depois do incêndio que, em 2003, destruiu grande parte do concelho.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • André Ventura rejeita acusações de xenofobia
    1:27

    País

    O candidato do PSD à Câmara de Loures diz que tocou num tema que as pessoas queriam discutir. Entrevistado na SIC Notícias, André Ventura insiste que as declarações que fez sobre a comunidade cigana não são xenófobas ou racistas.

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.