sicnot

Perfil

Desporto

Dulce Félix termina meia-maratona de Lisboa em sexto lugar

Ana Dulce Félix concluiu este domingo a quarta edição da meia-maratona de Lisboa na sexta posição, com o tempo de 1:16.19 horas, tendo cortado a meta praticamente 'colada' a Doroteia Peixoto, que gastou mais um segundo (1:16.20).

Numa prova ganha pela etíope Genet Yalew, com 1:10.25 horas, Vera Nunes foi a terceira atleta portuguesa a integrar o 'top 10, tendo ficado na nona posição, com 1:16.30 horas.

"Decidi aceitar o convite da organização, mas não defini nenhum objetivo muito rígido. Mas, ao longo da corrida, acabei por me entusiasmar, mas sem forçar qualquer andamento", frisou hoje à agência Lusa a atleta do Benfica, que admitiu ainda estar longe da sua melhor forma, pois só regressou aos treinos há cerca de três semanas.

A corredora adiantou: "Esta é a minha primeira prova depois dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro e, naturalmente, tenho a preparação atrasada para poder discutir um lugar no pódio com as atletas africanas. O meu principal objetivo, agora, é ajudar o meu clube, o Benfica, nas competições de estrada e nos nacionais de corta-mato. Espero estar em boa forma a partir dos meses de fevereiro ou março", adiantou Ana Dulce Félix.

Doroteia Peixoto terminou a meia-maratona cansada, mas feliz da vida com a sua atuação. "A Dulce é que puxou por mim e não o contrário", admitiu Doroteia, sétima classificada desta prova.

Igualmente de 'águia' ao peito, Samuel Barata repetiu o sétimo lugar alcançado na meia-maratona de 2015, mas melhorando o seu registo pessoal - finalizou o percurso em 1:15.16, contra 1:16.14 no ano passado.

"Estou muito feliz por voltar a ser o melhor português. Senti-me bem ao longo da prova. O excesso de vento foi o principal problema em algumas zonas do percurso", constatou Samuel Barata, que teve à sua frente seis fundistas africanos numa prova ganha pelo eritreu Nguse Amsolom, com 1:02.39 horas.

Lusa

  • Bombeiros ficaram de prevenção após intoxicação em Corroios
    1:16

    País

    17 alunos da escola EB 2+3 em Corroios, no Seixal, foram hospitalizados esta segunda-feira com sintomas de intoxicação alimentar. Os alunos, entre os 7 e os 14 anos, foram transportados 12 para o hospital Garcia de Orta, em Almada e cinco para o hospital do Barreiro. O transporte foi feito pelos bombeiros voluntários da Amora e do Seixal mantiveram uma equipa de socorro no local apenas por prevenção.

  • "Nada mais há a dizer" sobre a Caixa
    0:13

    Caso CGD

    O primeiro-ministro voltou esta segunda-feira a dizer que já não há nada para discutir, na polémica sobre a entrega de declarações de património dos gestores da CGD. Foram as declarações de António Costa, na Cidade da Praia, à margem da quarta cimeira bilateral entre Portugal e Cabo Verde.

  • Venda do Novo Banco terá que ser negociada em Bruxelas
    0:43

    Economia

    A venda do Novo Banco vai ter que ser negociada com Bruxelas, uma vez que o Lone Star planeia agora ficar com 65% da instituição, obrigando o Estado a manter uma posição no banco. O ministro das Finanças lembra que esta também era uma possibilidade mas salienta que o assunto está nas mãos do Banco de Portugal.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Modelo obrigada a prometer que não volta a arriscar a vida numa sessão fotográfica
    1:46