sicnot

Perfil

Desporto

Dulce Félix termina meia-maratona de Lisboa em sexto lugar

Ana Dulce Félix concluiu este domingo a quarta edição da meia-maratona de Lisboa na sexta posição, com o tempo de 1:16.19 horas, tendo cortado a meta praticamente 'colada' a Doroteia Peixoto, que gastou mais um segundo (1:16.20).

Numa prova ganha pela etíope Genet Yalew, com 1:10.25 horas, Vera Nunes foi a terceira atleta portuguesa a integrar o 'top 10, tendo ficado na nona posição, com 1:16.30 horas.

"Decidi aceitar o convite da organização, mas não defini nenhum objetivo muito rígido. Mas, ao longo da corrida, acabei por me entusiasmar, mas sem forçar qualquer andamento", frisou hoje à agência Lusa a atleta do Benfica, que admitiu ainda estar longe da sua melhor forma, pois só regressou aos treinos há cerca de três semanas.

A corredora adiantou: "Esta é a minha primeira prova depois dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro e, naturalmente, tenho a preparação atrasada para poder discutir um lugar no pódio com as atletas africanas. O meu principal objetivo, agora, é ajudar o meu clube, o Benfica, nas competições de estrada e nos nacionais de corta-mato. Espero estar em boa forma a partir dos meses de fevereiro ou março", adiantou Ana Dulce Félix.

Doroteia Peixoto terminou a meia-maratona cansada, mas feliz da vida com a sua atuação. "A Dulce é que puxou por mim e não o contrário", admitiu Doroteia, sétima classificada desta prova.

Igualmente de 'águia' ao peito, Samuel Barata repetiu o sétimo lugar alcançado na meia-maratona de 2015, mas melhorando o seu registo pessoal - finalizou o percurso em 1:15.16, contra 1:16.14 no ano passado.

"Estou muito feliz por voltar a ser o melhor português. Senti-me bem ao longo da prova. O excesso de vento foi o principal problema em algumas zonas do percurso", constatou Samuel Barata, que teve à sua frente seis fundistas africanos numa prova ganha pelo eritreu Nguse Amsolom, com 1:02.39 horas.

Lusa

  • "Serei o Presidente de todos os angolanos"
    2:06
  • Homens vítimas de violência doméstica
    31:17
  • Costa de Metro de Odivelas para Lisboa para relembrar corrida entre burro e Ferrari
    2:55

    Autárquicas 2017

    António Costa começou hoje o dia de campanha em Odivelas, para uma viagem de Metro até Lisboa, em que recordou a célebre corrida entre um burro e um Ferrari que protagonizou em 1993 quando foi canditado do PS à Câmara de Loures. Foi nesta cidade, onde ontem à noite, que desferiu um violento ataque a Pedro Passos Coelho, acusando-o de transformar o PSD num partido que não é digno de um Estado democrático.

  • O aeroporto de Beja, um "elefante branco" na planície alentejana
    4:33
  • Supervisão bancária origina novo diferendo entre Carlos Costa e Governo
    0:57

    Economia

    Reacendeu-se a guerra entre o Governo e o governador do Banco de Portugal. Em conferência na sede do banco, esta segunda-feira, Carlos Costa deixou uma crítica indireta ao novo modelo de supervisão bancária. O ministro das Finanças, Mário Centeno, não gostou e exigiu a Carlos Costa que se retratasse, mas o governador recusou-se.

  • Paciente há 15 anos em estado vegetativo consegue seguir objetos e mexer a cabeça

    Mundo

    Um homem de 35 anos, que ficou em estado vegetativo após um acidente de viação há 15 anos, deu sinais de consciência depois de lhe ter sido aplicada uma nova técnica de estimulação nervosa. Cirurgiões implantaram no paciente um pequeno aparelho que estimula o nervo vago, responsável pela ligação nervosa entre o cérebro e o resto do corpo. A intervenção aconteceu em França e a descoberta foi publicada na revista científica Current Biology.