sicnot

Perfil

Desporto

Presidente do Benfica enaltece exemplo de Mário Wilson

Foto de arquivo de 21 de janeiro de 1997 do antigo treinador do Benfica Mário Wilson

Inácio Rosa/Lusa

Luís Filipe Vieira destacou a dimensão humana de Mário Wilson, "uma figura ímpar do Benfica e do futebol português" e "um exemplo", que hoje morreu.

"Foi com o mais profundo pesar que tomei conhecimento do falecimento do nosso grande 'capitão' Mário Wilson. Uma figura ímpar do Benfica e do futebol português e uma enorme perda para toda a família benfiquista e para a lusofonia", pode ler-se na nota assinada pelo presidente benfiquista, publicada na página oficial do clube.

Luís Filipe Vieira defendeu que "um ser humano com um coração tão grande" nunca deveria morrer. "Razão pelo qual permanecerá sempre na nossa memória como um caso raro de entrega e paixão ao fenómeno desportivo. Pela sua humildade e disponibilidade para o próximo será sempre um exemplo", prosseguiu.

O presidente do Benfica endereçou ainda as mais sentidas condolências à família do antigo técnico 'encarnado'.

Mário Wilson morreu hoje, aos 86 anos, anunciou o Benfica, clube que levou como treinador ao triunfo no campeonato nacional de 1975/76 e das Taças de Portugal de 1979/80 e 1995/96.

Natural de Maputo, em Moçambique, Mário Wilson envergou, como jogador, as camisolas do Desportivo de Lourenço Marques, Sporting e Académica.

Como treinador, orientou o Benfica em três ocasiões, mas também emblemas como Académica, Belenenses, Vitória de Guimarães e Boavista, entre outros, assim como a seleção portuguesa na qualificação para o Europeu de 1980.

Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite