sicnot

Perfil

Desporto

Suspensão de Sharapova reduzida para 15 meses

© USA Today Sports / Reuters

Maria Sharapova pode voltar a competir a partir de abril de 2017. O Tribunal Arbitral de Desporto reduziu hoje a suspensão da tenista russa, por doping, de dois anos para 15 meses.

A tenista, de 29 anos, acusou positivo o medicamento meldonium, durante o último Open da Austrália, primeiro torneio do Grand Slam da temporada.

O TAS tinha adiado para o início de outubro a decisão sobre o recurso apresentado pela tenista. Uma primeira decisão estava inicialmente agendada para 18 de julho, mas o TAS adiou o veredito para 19 de setembro, data que voltou a ser alterada para que as partes entregassem novos elementos.

Sharapova tinha sido suspensa por dois anos pela Federação Internacional de Ténis (ITF) a 8 de junho, por ter acusado no último Open da Austrália meldonium, que passou a integrar a lista de substâncias dopantes desde 01 de janeiro.

A tenista, medalha de prata nos Jogos Olímpicos Londres2012, ficou impedida de disputar o Rio 2016, tal como todo o atletismo russo, na sequência de uma investigação que revelou a existência de um sistema generalizado de doping, com apoio estatal.

A 7 de março, Sharapova tinha anunciado, em Los Angeles, Estados Unidos, que tinha acusado meldonium, substância de um medicamento que costumava utilizar há algum tempo, admitindo desconhecimento que tinha passado a ser proibido em janeiro.

Com Lusa

  • A Verdade sobre a Mentira
    35:13
  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • Mais de 120 pessoas com hepatite A
    2:23

    País

    O surto de hepatite A já infetou 128 pessoas, 60 das quais estão internadas em hospitais de Lisboa e Coimbra. A Direção-Geral da saúde recomenda a vacinação apenas aos familiares dos doentes. Apesar de não haver ruptura de stocks, há farmácias que não têm vacinas.

  • Sobreviventes de Mossul relatam mutilações e execuções do Daesh
    1:32