sicnot

Perfil

Desporto

Suspensão de Sharapova reduzida para 15 meses

© USA Today Sports / Reuters

Maria Sharapova pode voltar a competir a partir de abril de 2017. O Tribunal Arbitral de Desporto reduziu hoje a suspensão da tenista russa, por doping, de dois anos para 15 meses.

A tenista, de 29 anos, acusou positivo o medicamento meldonium, durante o último Open da Austrália, primeiro torneio do Grand Slam da temporada.

O TAS tinha adiado para o início de outubro a decisão sobre o recurso apresentado pela tenista. Uma primeira decisão estava inicialmente agendada para 18 de julho, mas o TAS adiou o veredito para 19 de setembro, data que voltou a ser alterada para que as partes entregassem novos elementos.

Sharapova tinha sido suspensa por dois anos pela Federação Internacional de Ténis (ITF) a 8 de junho, por ter acusado no último Open da Austrália meldonium, que passou a integrar a lista de substâncias dopantes desde 01 de janeiro.

A tenista, medalha de prata nos Jogos Olímpicos Londres2012, ficou impedida de disputar o Rio 2016, tal como todo o atletismo russo, na sequência de uma investigação que revelou a existência de um sistema generalizado de doping, com apoio estatal.

A 7 de março, Sharapova tinha anunciado, em Los Angeles, Estados Unidos, que tinha acusado meldonium, substância de um medicamento que costumava utilizar há algum tempo, admitindo desconhecimento que tinha passado a ser proibido em janeiro.

Com Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.