sicnot

Perfil

Desporto

Antigo campeão olímpico austríaco acusado de abuso sexual de menores

O antigo judoca austríaco Peter Seisenbacher, medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de 1984 e 1988, na categoria de -86 kg, foi formalmente acusado esta quarta-feira de abusar sexualmente de duas meninas de quem era treinador.

Os alegados factos remontam a um período compreendido entre o final dos anos 1990 e o início dos anos 2000 e envolvem duas meninas, menores de 14 anos, que Seisenbache, hoje com 56 anos, treinava.

De acordo com a procuradoria de Viena, um das vítimas, que inicialmente tinha 11 anos, sofreu abusos durante três anos.

O antigo judoca, o primeiro a defender com sucesso o título olímpico, terá também de responder judicialmente por uma alegada tentativa de abuso sexual de uma terceira criança.

A acusação foi formalmente apresentada esta quarta-feira, depois de três anos de inquérito, resultantes da denúncia das duas alegadas vítimas, hoje adultas.

Peter Seisenbacher recusou comentar as acusações de que está a ser alvo.

Lusa

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem no Coachella e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.