sicnot

Perfil

Desporto

ITF critica Sharapova e diz que não a tentou suspender por quatro anos

A Federação Internacional de Ténis (ITF) teceu esta quinta-feira críticas à russa Maria Sharapova em relação à sua conduta no caso de doping por meldonium e referiu que nunca tentou punir a tenista por quatro anos.

"A ITF nunca tentou suspender Sharapova por quatro anos, como foi sugerido. A ITF deixou claro que era responsabilidade de um tribunal independente - e consequentemente do painel do tribunal arbitral (TAS) - determinar qual a sanção adequada", refere o organismo em comunicado.

Na terça-feira, o TAS reduziu de dois anos para 15 meses a suspensão à tenista russa, que tinha sido punida por dois anos em junho, face a um controlo positivo para 'meldonium' no Open da Austrália, em janeiro.

A Federação Internacional diz ainda no seu comunicado que o TAS confirmou que Sharapova violou as regras antidopagem e aplicou a pena de 15 meses.

"Incluía saber se Sharapova cumpria os critérios do programa de ténis antidopagem - os mesmos do código da Agência Mundial antidopagem (AMA) - para uma redução dos quatro anos, por defeito, pelo uso de uma substância como o 'meldonium'", refere ainda o comunicado.

A Federação Internacional é igualmente muito crítica para com a tenista, que terá referido que o tribunal independente da ITF, que a puniu antes do recurso para o TAS, não era um organismo imparcial.

"A ITF providencia uma audiência de primeira instância de altíssima qualidade, não só independente da ITF, mas que dá a ambas as partes a oportunidade plena de apresentarem todas as provas. O tribunal conta com um advogado como presidente e especialistas médicos e das ciências como membros", adianta.

Ainda segundo a Federação, Sharapova terá dito que o tribunal não era neutro, mas que à tenista foi dada a oportunidade de objetar qualquer dos membros, antes da audiência, e que a mesma assinou um documento dizendo que não havia quaisquer objeções.

O organismo diz que a russa sugeriu que a ITF deveria ter dado informação aos atletas que a substância passava a ser proibida em janeiro, e que a Federação tinha conhecimento da proibição antes de 2016, o que esta refuta.

"Não é verdade. De facto, foi aceite por Sharapova na audiência perante o TAS que a ITF não sabia antes de 2016 até que ponto o meldonium era usado por atletas de qualquer região ou se Sharapova o usava", frisou a ITF.

O organismo lembrou que programa de monitorização da própria Agência Mundial antidopagem (AMA) é conduzido anonimamente.

Sharapova, que viu na terça-feira o TAS reduzir a sua suspensão de dois anos para 15 meses, reconheceu tomar meldonium há vários anos para combater uma deficiência de magnésio e um histórico familiar de diabetes.

Lusa

  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos. Depois de um curso intensivo de português durante três meses, os jovens vão iniciar o ano letivo em vários pontos do país.

  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57