sicnot

Perfil

Desporto

Roma continua na corrida à candidatura para os Jogos Olímpicos 2024

Budapeste, Los Angeles, Paris e Roma, apesar da morte anunciada da sua candidatura devido à ausência de apoios, apresentaram esta quinta-feira ao Comité Olímpico Internacional (COI) o programa financeiro, jurídico e organizacional à organização dos Jogos Olímpicos de 2024.

Menos espetacular do que a primeira fase, dedicada à apresentação das instalações desportivas e do projeto global de cada uma das candidaturas, esta segunda é, provavelmente, a mais importante para o COI.

Nesta segunda fase de candidatura, Budapeste, Los Angeles, Paris e Roma devem apresentar garantias que os Jogos Olímpicos de 2024 serão suportados financeiramente, independentemente de alterações políticas ou reveses económicos.

Para além do orçamento organizacional, praticamente inalterada em relação à última edição, de cerca de 3,2 mil milhões de euros, financiados a 100 por cento pelo marketing, bilheteira, COI e do programa de apoio nacional, os candidatos devem fornecer garantias para cobrir os montantes destinados às infraestruturas sustentáveis.

Paris - que mostra possuir 95% dos equipamentos necessários, apresenta um orçamento de três mil milhões de euros, divididos entre apoios públicos e privados - compromete-se à construção de uma aldeia olímpica, um centro aquático e um estádio.

Los Angeles, que alterou consideravelmente o seu projeto inicial, ainda não divulgou o seu orçamento, mas assegurou que irá ser financiado exclusivamente por fundos privados e por mecenas em caso de vitória da candidatura norte-americana.

A candidatura húngara de Budapeste apresenta como garantia ao COI uma carta assinada pelo primeiro-ministro Viktor Orban, defensor acérrimo da candidatura aos Jogos Olímpicos de 2024, e que assegura a construção das infraestruturas necessárias com fundos provenientes do Estado.

Se Roma submeteu o seu projeto financeiro, jurídico e organizacional, tal deveu-se apenas a uma questão de honra, uma vez que a nova presidente da câmara, Virginia Raggi, negou já o seu apoio à candidatura da capital italiana.

O próximo passo das candidaturas sobreviventes será dado com a apresentação no COI de um novo documento relacionado com a experiência na promoção dos JO e a herança olímpica.

Lusa

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.