sicnot

Perfil

Desporto

Roma continua na corrida à candidatura para os Jogos Olímpicos 2024

Budapeste, Los Angeles, Paris e Roma, apesar da morte anunciada da sua candidatura devido à ausência de apoios, apresentaram esta quinta-feira ao Comité Olímpico Internacional (COI) o programa financeiro, jurídico e organizacional à organização dos Jogos Olímpicos de 2024.

Menos espetacular do que a primeira fase, dedicada à apresentação das instalações desportivas e do projeto global de cada uma das candidaturas, esta segunda é, provavelmente, a mais importante para o COI.

Nesta segunda fase de candidatura, Budapeste, Los Angeles, Paris e Roma devem apresentar garantias que os Jogos Olímpicos de 2024 serão suportados financeiramente, independentemente de alterações políticas ou reveses económicos.

Para além do orçamento organizacional, praticamente inalterada em relação à última edição, de cerca de 3,2 mil milhões de euros, financiados a 100 por cento pelo marketing, bilheteira, COI e do programa de apoio nacional, os candidatos devem fornecer garantias para cobrir os montantes destinados às infraestruturas sustentáveis.

Paris - que mostra possuir 95% dos equipamentos necessários, apresenta um orçamento de três mil milhões de euros, divididos entre apoios públicos e privados - compromete-se à construção de uma aldeia olímpica, um centro aquático e um estádio.

Los Angeles, que alterou consideravelmente o seu projeto inicial, ainda não divulgou o seu orçamento, mas assegurou que irá ser financiado exclusivamente por fundos privados e por mecenas em caso de vitória da candidatura norte-americana.

A candidatura húngara de Budapeste apresenta como garantia ao COI uma carta assinada pelo primeiro-ministro Viktor Orban, defensor acérrimo da candidatura aos Jogos Olímpicos de 2024, e que assegura a construção das infraestruturas necessárias com fundos provenientes do Estado.

Se Roma submeteu o seu projeto financeiro, jurídico e organizacional, tal deveu-se apenas a uma questão de honra, uma vez que a nova presidente da câmara, Virginia Raggi, negou já o seu apoio à candidatura da capital italiana.

O próximo passo das candidaturas sobreviventes será dado com a apresentação no COI de um novo documento relacionado com a experiência na promoção dos JO e a herança olímpica.

Lusa

  • Inglaterra estreia-se com vitória suada frente à Tunísia

    Mundial 2018 / Tunísia

    A seleção inglesa estreou-se no Mundial 2018 com um triunfo sobre a Tunísia por 2-1, com o golo da vitória a ser apontado já para lá do minuto 90. O jogo foi referente à 1.ª jornada do grupo G. Veja aqui os golos e os lances que marcaram o encontro.

  • O melhor golo do 5.º dia de Mundial

    Desporto

    Numa escolha feita pelos jornalistas de desporto e do site da SIC Notícias, mostramos-lhe o melhor golo deste quinto dia de Mundial. Foi apontado por Dries Mertens, na vitória da Bélgica sobre o Panamá por 3-0.

  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC