sicnot

Perfil

Desporto

André Silva e João Cancelo estreiam-se a titulares na seleção nacional

Portugal vai defrontar esta noite Andorra com cinco alterações no 'onze' em relação ao desaire na Suíça, na estreia na fase de qualificação para o Mundial de 2018, merecendo destaque as primeiras titularidades de André Silva e João Cancelo.

O jovem avançado do FC Porto, de 20 anos, entra para o lugar que em Basileia foi de Éder, o 'herói' português do Euro2016 - ao marcar o golo da vitória no prolongamento da final com a anfitriã França -, que foi relegado para o banco.

Por seu lado, o lateral direito do Valência, formado pelo Benfica e com 22 anos, entra a substituir Cédric, que perde o lugar devido a lesão, tal como Adrien Silva e Nani, substituídos por André Gomes e Ricardo Quaresma.

De volta ao 'onze', está também o 'capitão' Cristiano Ronaldo, o futebolista como mais jogos (133) e golos (61) pela seleção das 'quinas', que falhou a deslocação à Suíça devido à lesão sofrida na final do Europeu.

Além de Éder, sai do 'onze' por opção do selecionador luso, Fernando Santos, o médio William Carvalho.

Desta forma, Portugal vai alinhar com Rui Patrício na baliza, uma defesa com Cancelo, Pepe, José Fonte e Raphael Guerreiro, um meio-campo com André Gomes, João Moutinho, Ricardo Quaresma e Bernardo Silva e um ataque com André Silva e Cristiano Ronaldo.

O encontro entre Portugal e Andorra, da segunda jornada do Grupo B de apuramento para o Mundial de 2018, realiza-se no Estádio Municipal de Aveiro, a partir das 19:45, com arbitragem do austríaco Oliver Drachta.

Lusa

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.