sicnot

Perfil

Desporto

Governo francês compromete mil milhões de euros para JO de 2024

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, assegurou esta sexta-feira que a França tem orçamentado mil milhões de euros para financiar a candidatura do país a receber os Jogos Olímpicos de 2024.

A França, que disputa com Budapeste, Los Angeles e Roma a atribuição da organização dos Jogos Olímpicos, apresentou quinta-feira ao Comité Olímpico Internacional (COI) o programa financeiro, jurídico e organizacional de suporte à organização dos Jogos Olímpicos de 2024.

"O Estado disponibilizará dois terços do financiamento público, mil milhões de euros, para custear a construção de equipamentos e outro tipo de infraestruturas que servirão as populações no longo prazo", afirmou Valls, acrescentando que os fundos serão desembolsados "entre 2018 e 2014".

Menos espetacular do que a primeira fase, dedicada à apresentação das instalações desportivas e do projeto global de cada uma das candidaturas, esta segunda é, provavelmente, a mais importante para o COI.

Nesta segunda fase de candidatura, Budapeste, Los Angeles, Paris e Roma devem apresentar garantias que os Jogos Olímpicos de 2024 serão suportados financeiramente, independentemente de alterações políticas ou reveses económicos.

O chefe de governo francês destacou que um dos maiores beneficiários será o subúrbio de Seine-Saint-Denis, um dos mais pobres em França, que herdará as cinco mil habitações que acolherão a aldeia olímpica durante os Jogos.

Para além do orçamento organizacional, praticamente inalterada em relação à última edição, de cerca de 3,2 mil milhões de euros, financiados a 100 por cento pelo 'marketing', bilheteira, COI e do programa de apoio nacional, os candidatos deverão ter fornecido nesta fase garantias para cobrir os montantes destinados às infraestruturas sustentáveis.

Paris - que mostra possuir 95 por cento dos equipamentos necessários, apresenta um orçamento de três mil milhões de euros, divididos entre apoios públicos e privados - compromete-se à construção de uma aldeia olímpica, um centro aquático e um estádio.

Los Angeles, que alterou consideravelmente o seu projeto inicial, ainda não divulgou o seu orçamento, mas assegurou que irá ser financiado exclusivamente por fundos privados e por mecenas em caso de vitória da candidatura norte-americana.

A candidatura húngara de Budapeste apresenta como garantia ao COI uma carta assinada pelo primeiro-ministro Viktor Orban, defensor acérrimo da candidatura aos Jogos Olímpicos de 2024, e que assegura a construção das infraestruturas necessárias com fundos provenientes do Estado.

Se Roma submeteu o seu projeto financeiro, jurídico e organizacional, tal deveu-se apenas a uma questão de honra, uma vez que a nova presidente da câmara, Virginia Raggi, negou já o seu apoio à candidatura da capital italiana.

O próximo passo das candidaturas sobreviventes será dado com a apresentação no COI, em fevereiro do próximo ano, de um novo documento relacionado com a experiência na promoção dos JO e a herança olímpica, seguindo-se em maio a visita do Comité de Avaliação às cidades candidatas.

A votação final está prevista para 13 de setembro do próximo ano, em Lima.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45
  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.

  • Relação de Portugal com Angola é "insubstituível"
    1:00

    País

    Paulo Portas considera que a relação de Portugal com Angola é insubstituível. Numa entrevista ao Jornal de Negócios, o ex vice-primeiro-ministro defende que o país deve ser profissional no relacionamento político com Luanda.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.