sicnot

Perfil

Desporto

Gastão Elias assume que ainda está a readaptar-se ao piso rápido

Gastão Elias assumiu hoje à agência Lusa que nos últimos meses se ressentiu da preferência pela terra batida, mas mostrou-se confiante de que tem a qualidade necessária para chegar ao topo do ténis nacional.

Desde que se tornou no primeiro português a vencer um encontro em Jogos Olímpicos e que caiu na segunda ronda do Rio2016, no final de um verão fulgurante que o levou ao 60.º lugar do 'ranking', o número dois nacional não mais voltou a vencer no quadro principal de um torneio do circuito ATP.

"Não há muito segredo. Foi uma questão de adaptação. Durante anos joguei em piso rápido, nos Estados Unidos, e essa era a minha superfície favorita e onde jogava melhor. Depois fui para o Brasil e durante anos só joguei em terra batida. Acredito que não estaria onde estou hoje se não fosse todo o trabalho que fiz em terra batida, porque desenvolveu vários aspetos do meu jogo que precisavam de ser desenvolvidos e que foram muito importantes para a minha subida", analisou, em declarações à Lusa.

Gastão Elias estava mentalmente preparado para ter dificuldades na transição do pó de tijolo para o piso rápido e, por isso, a ausência de vitórias não o atrapalha.

"Estou cada vez melhor, sinto-me cada vez mais dentro de água a jogar em piso rápido. É uma questão de tempo, não estou preocupado. Os resultados vão aparecer", disse.

O 62.º jogador mundial, que tem estado a treinar no Centro de Alto Rendimento do Jamor (Oeiras), acredita que fazendo "alguns ajustes", nomeadamente na colocação no 'court' -- "Dou por mim a jogar um passo ou dois mais recuado, que é o habitual em terra batida" -, voltará a exibir o nível que o conduziu às primeiras meias-finais ATP da sua carreira, em semanas consecutivas, em Bastad (Suécia) e Umag (Croácia).

"Estava a jogar há muito tempo em terra batida e no pó de tijolo sinto-me totalmente confortável a jogar a este nível, como já demonstrei em vários torneios. Em piso rápido, os jogadores são os mesmos, por isso, em relação à confiança, não vejo que seja um grande problema, porque jogo com eles de igual para igual e acredito que posso ganhar", resumiu.

O jovem da Lourinhã, de 25 anos, é, para já, o terceiro melhor tenista português de sempre na hierarquia mundial, mas ultrapassar Rui Machado (59.º) não é algo que lhe ocupe o pensamento.

"Tenho muita confiança com o Rui e já lhe disse várias vezes: 'Ai Rui, estás tão perto'. Mas nem penso nisso. Seria mais uma etapa na minha carreira, mas não é o meu objetivo principal, nem nunca foi. O meu objetivo principal nunca foi superar os portugueses no 'ranking'", sublinhou.

Desafiado pela Lusa, Elias recusou que o melhor 'ranking' de sempre de um português -- o 28.º lugar de João Sousa, em maio de 2016 -- seja uma miragem.

"É alcançável. Eu acho. É muito difícil, claro, mas acredito que tenho potencial. Se formos analisar as coisas que faço, as minhas qualidades técnicas e físicas, acho que sou um jogador bastante completo. No entanto, posso fazer tudo certo e não chegar lá", pontuou.

Elias, que está radicado na Florida, assumiu que ter um compatriota na elite do ténis mundial é um fator de orgulho.

"Às vezes penso como é que um país como o nosso, tão pequenino, com tão pouca tradição no ténis, tem dois jogadores no 'top 100'. Há aí países fortíssimos, com tradição, que não têm duas pessoas no 'top 100'", congratulou-se.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.