sicnot

Perfil

Desporto

Maria Sharapova suspensa por doping participa em torneio de beneficência

A tenista russa Maria Sharapova, a cumprir uma suspensão de 15 meses por doping, regressou na segunda-feira aos 'courts' para participar num torneio de beneficência organizado pela Fundação Elton John de luta contra a Sida.

Ao lado da jovem promessa norte-americana Taylor Johnson, de 16 anos, Sharapova começou por defrontar a dupla formada pelas "reformadas" Martina Navratilova e Liezel Huber, também dos Estados Unidos.

Depois, fez equipa com o também já retirado norte-americano John McEnroe frente ao par constituído por Navratilova e Andy Roddick.

"Foi uma excelente oportunidade para ela [Taylor Johnson] e também para mim. Não estava num 'court' há algum tempo. Foi uma boa oportunidade de divertirmo-nos e dar umas boas gargalhadas", comentou a russa no final do evento.

Sharapova, de 29 anos, acusou positivo o medicamento meldonium durante o último Open da Austrália, primeiro torneio do 'Grand Slam' da temporada, logo no início do ano.

Inicialmente, Sharapova foi suspensa por dois anos pela Federação Internacional de Ténis (ITF), por ter acusado uma substância proibida desde janeiro.

A jogadora recorreu depois para o Tribunal Arbitral do Desporto (TAS), que reduziu o castigo para 15 meses, pelo que Sharapova poderá regressar à competição em abril.

Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão