sicnot

Perfil

Desporto

Futebolista Ivica Olic suspenso por apostas ilegais

O avançado croata Ivica Olic foi esta quarta-feira castigado pela Federação Alemã de Futebol (DFB) com dois jogos de suspensão e uma multa de 20.000 euros por apostas em jogos da segunda divisão germânica.

Realizadas através de uma plataforma na internet, as apostas do ex-internacional croata, reforço do TSV 1860 Munique para esta época, referem-se a nove jogos realizados entre agosto e setembro.

Embora Olic "não tenha apostado em jogos do seu atual clube", a DFB explicou que a suspensão justifica-se com as apostas do jogador em emblemas do mesmo escalão do TSV 1860 Munique, algo "expressamente proibido" pela regulamentação do organismo.

Tomas Eichin, diretor desportivo do 14.º classificado da segunda liga alemã, reiterou que o comportamento do futebolista "não pode ser aceite", estando prevista uma multa da formação germânica.

O antigo jogador do Hamburgo e do Bayern de Munique explicou, em comunicado, a sua conduta.

"Foi, naturalmente, um grande erro ter participado em apostas combinadas com amigos. Porém, não se tratou de grandes quantias monetárias", argumentou o veterano futebolista de 37 anos.

De acordo com a DFB, "o valor das apostas fixavam-se entre os 100 e os 1.000 euros", não tendo sido encontrados "indícios de manipulação" nos jogos em causa.

Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão