sicnot

Perfil

Desporto

Pugilista Tyson Fury suspenso pela Comissão de Controlo de Boxe Britânica

© Reuters

O campeão mundial de pesos pesados Tyson Fury foi suspenso pela Comissão de Controlo de Boxe Britânica (BBBofC), após ter admitido na quarta-feira que consumia drogas ilegais, anunciou hoje aquele órgão.

A decisão foi tomada após o pugilista britânico ter admitido que consumiu cocaína para lidar com uma depressão.

Na quarta-feira, Tyson Fury anunciou que desistiu de defender os títulos de campeão do mundo de pesos pesados "com efeito imediato" para se concentrar no seu "tratamento médico e recuperação".

Na semana passada, o pugilista britânico, atual detentor dos títulos mundias do Conselho Mundial de Boxe (WBO), e da Associação Mundial de Boxe (WBA), admitiu que consumiu "muita cocaína" ao longo da vida.

Fury, de 28 anos, nunca sofreu qualquer derrota e tinha um combate agendado para 29 de outubro, no qual iria defender os títulos frente ao cazaque Wladimir Klitschko, antigo campeão, mas que já tinha sido cancelado pelo britânico por não estar em condições médicas para competir.

No final de setembro, a comunicação social norte-americana noticiou que Tyson Fury acusou cocaína num controlo realizado no dia 22 daquele mês e que iria perder os títulos WBA e WBO devido a consumo de uma substância proíbida.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.