sicnot

Perfil

Desporto

Cristiano Ronaldo quer estar no Real Madrid quando ouvir o apito final da carreira

© Reuters

O futebolista internacional português Cristiano Ronaldo reiterou o desejo de terminar a carreira no Real Madrid, considerando que é o clube do seu coração e com o qual pretende renovar.

"Já disse que me quero retirar em Madrid. É o clube do meu coração, dá-me troféus individuais e coletivos. O que mais quero é renovar e seguir aqui muitos anos mais", sublinhou o jogador em entrevista ao jornal espanhol Marca.

Cristiano Ronaldo, que falou após receber o prémio n.º1 2015/16, uma distinção conjunto da Marca e do jornal italiano Gazzetta Dello que premeia o melhor jogador da anterior temporada na Liga dos Campeões, conquistada pelo Real Madrid.

O português disse ainda que quando chegou aos merengues não esperava bater recordes que pertenciam a Di Stefano ou a Raul, como aconteceu, mas que a sua motivação, em oito anos de clube, continua a crescer, no sentido de fazer história.

Com a renovação até 2021 sobre a mesa, Cristiano espera também que o Real Madrid possa ser o primeiro clube a revalidar, esta época, o título de campeão europeu, algo que nenhum outro conseguiu desde a criação do novo modelo da Champions em 1993.

"Oxalá que sim. Obviamente que falamos no balneário disso, queremos ser os primeiros a ganhar a Champions duas vezes seguidas", disse o extremo, que não deixou também de falar do facto de só ter vencido uma La Liga (2011/12), com José Mourinho.

Para o futebolista o Real Madrid "não pode estar tanto tempo" sem ganhar a Liga, mas existe a confiança que isso acontecerá.

Recordista de golos pelo clube e melhor marcador numa edição da Liga dos Campeões, Cristiano Ronaldo falou também na dificuldade de superar recordes, mas que "é sempre possível", apesar de serem números altos.

A última época, que terminou para o português com uma dupla conquista - título europeu pelo Real Madrid e título europeu, inédito, com Portugal - foi eleita como a melhor para o capitão da seleção portuguesa.

"Possivelmente foi a melhor temporada a nível individual e coletivo. O meu sonho sempre foi ganhar algo com o meu país, com Portugal. Antes ganhar a Champions com o Real Madrid, foi um sonho ganhar os títulos no mesmo ano. Também de máximo goleador da Champions, melhor jogador da UEFA. Sim, foi um ano espetacular", justificou o jogador.

As conquistas podem antever novo prémio de melhor do mundo da FIFA para Cristiano Ronaldo, embora o jogador seja cauteloso.

"Ainda é cedo. Obviamente que gostaria, mas não depende de mim. Claro que me agradaria ganhar a Bola de Ouro depois da época que tive, mas há muitos jogos para disputar e muitos golos a marcar. Estou tranquilo quanto a isso", referiu o português.

Cristiano Ronaldo falou ainda para a Gazzetta Dello Sport, coorganizadora do prémio, revelando que a Juventus, clube com mais títulos em Itália, o desejou contratar quando ainda estava no Sporting, mas que ele acabou por preferir o Manchester United, elogiando ainda o compatriota João Mário.

"É um valor acrescentado para qualquer equipa. Poderá dar muito ao Inter, deve apenas melhorar o seu italiano", referiu Ronaldo, ao jornal italiano.

Lusa

  • Futuro de Cristiano Ronaldo pode passar pela moda
    1:31

    Desporto

    Cristiano Ronaldo deu uma entrevista a uma revista de moda masculina, onde confessou já ter planos para o momento em que deixar de jogar futebol. Depois de terminar a carreira, o capitão da seleção nacional diz que quer fazer crescer a marca CR7. Veja aqui o vídeo com a entrevista do português.

  • Incêndios causaram 76 feridos no espaço de uma semana
    0:34

    País

    No espaço de uma semana, 76 pessoas ficaram feridas, incluindo seis com gravidade, durante os incêndios florestais. Na conferência de imprensa desta tarde, a Proteção Civil explicou que há cinco planos municipais de emergência ativos por causa das chamas.

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.