sicnot

Perfil

Desporto

UEFA quer compensar ligas mais pequenas com a reforma na Liga dos Campeões

O novo presidente da UEFA, o esloveno Aleksander Ceferin, garantiu que uma reforma da Liga dos Campeões de futebol que favoreça os grandes clubes será acompanhada com uma ajuda financeira às ligas de pequena e média dimensão.

© Alkis Konstantinidis / Reuter

Em entrevista ao diário esloveno Dvenik, publicada este sábado, Ceferin garantiu que os responsáveis da UEFA "farão certamente alguma coisa para ajudar financeiramente as ligas de pequena e média dimensão, talvez por intermédio de mais recursos financeiros".

No entanto, Ceferin, eleito em setembro, reiterou que nada ainda está definido sobre os novos moldes da Champions, que apontam para quatro vagas diretas na fase de grupos para Espanha, Inglaterra, Alemanha e Itália entre 2018 e 2021.

O projeto motivou acesas críticas da Associação das Ligas Europeias de Futebol Profissional (EPFL), que ameaçou entrar em rota de colisão com a UEFA caso avancem as alterações.

Apresentando-se como um "homem de diálogo", Ceferin pediu para não se tirarem "conclusões precipitadas", lembrando que já se encontrou com o presidente da EPFL, Lars-Christer Olsson.

"Ele viu que o diálogo tinha começado e que as coisas seriam tratadas de forma diferente", disse Ceferin, esperançado que possa convencer todos os representantes das pequenas e médias ligas.

Lusa

  • Trabalharia horas extra sem ser pago? E feriados?  
    1:25
  • UE dá "luz verde" para início das negociações do Brexit

    Brexit

    Os 27 Estados-membros da União Europeia aprovaram esta segunda-feira a autorização para o início das negociações do Brexit, indicando formalmente o final de junho para início do processo de saída do Reino Unido, que se prolongará por dois anos.

  • Regras secretas do Facebook permitem divulgação de imagens violentas

    Mundo

    A política interna da empresa Facebook defende que nem todos os vídeos violentos publicados na rede social devem ser apagados porque "não quer censurar ou punir pessoas em perigo". A revelação é feita pelo jornal britânico The Guardian após uma investigação em que conseguiu ter acesso ao manual interno.