sicnot

Perfil

Desporto

Sebastien Ogier vence na Catalunha e sagra-se tetracampeão mundial de ralis

© TT News Agency / Reuters

O piloto francês Sébastien Ogier (Volkswagen) sagrou-se hoje campeão mundial de ralis pela quarta vez consecutiva, depois de vencer o Rali da Catalunha, 11.ª prova do campeonato.

A Ogier bastava apenas um ponto para garantir o 'tetra', depois do abandono, no sábado, do norueguês Andreas Mikkelsen, colega de equipa e que mantinha ténues aspirações de se sagrar campeão mundial.

Para os 62 quilómetros do último dia de corrida, Ogier partia com cinco segundos de vantagem sobre o espanhol Dani Sordo (Hyundai), que terminou em segundo na Catalunha, à frente do belga Thierry Neuville, seu colega na equipa sul-coreana.

Concluído o Rali da Catalunha, restam duas provas para terminar o Mundial de 2016: Grã-Bretanha (entre 28 e 30 de outubro) e Austrália (entre 18 e 20 de novembro).

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.