sicnot

Perfil

Desporto

Piqué "firme" na decisão de deixar seleção espanhola depois do Mundial

O central, campeão europeu e mundial, de 29 anos, compareceu em conferência de imprensa pela primeira vez após ter revelado, a 10 de outubro, que pretende deixar a seleção 'Roja'.

© Albert Gea / Reuters

O futebolista espanhol Gerard Piqué, do Barcelona, assegurou esta terça-feira que a decisão de deixar a seleção após o Mundial2018 é "firme" e justificou que merece sair "como e quando quiser".

O central, campeão europeu e mundial, de 29 anos, compareceu em conferência de imprensa pela primeira vez após ter revelado, a 10 de outubro, que pretende deixar a seleção 'Roja'.

"A decisão é firme, talvez tenha sido precipitada pelo que aconteceu na Albânia. Não pretendia dizê-lo ali, mas saiu a 'quente' devido a uma notícia, que se demonstrou ser falsa e senti que devia falar", justificou o central.

Piqué falou da polémica com a sua camisola, cortada nas mangas e que muitos interpretaram como o facto de o jogador o ter feito para tirar a bandeira de Espanha, prontamente desmentido pelo internacional.

O jogador criticou ainda o que se passou nas redes sociais, com as críticas que lhe foram dirigidas, e o responsável do OK Diário, a quem chamou "a marioneta de Florentino Pérez [presidente do Real Madrid]".

A camisola que estava cortada era uma camisola de manga comprida, que não inclui as cores da bandeira de Espanha na extensão dos braços.

Na conferência, o jogador comentou também o facto de ter dito em 2014, após o Mundial do Brasil, em que a Espanha foi eliminada na fase de grupos, que estava a pensar em sair por falta de motivação, mas que não o fez.

"Depois do Mundial falei com Vicente Del Bosque [selecionador] e Maria José Claramunt [diretora da seleção] e disse-lhes que não ia continuar. No final, em conversa com eles, decidi mudar de ideia. Era uma questão de motivação", acrescentou.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.