sicnot

Perfil

Desporto

Maradona, acusado de fraude fiscal, diz que "não deve nada a ninguém"

O ex-futebolista argentino Diego Maradona, acusado de fraude fiscal em Itália há 25 anos, época em que jogava no Nápoles, disse hoje que "não deve nada a ninguém" e recusa pagar mais de 40 milhões de euros.

"Há mais de 25 anos, reclamam injustamente mais de 40 milhões de euros, dos quais 35 milhões de juros e multas, por alegada evasão fiscal, considerada inexistente por todos os juízes", afirmou o argentino numa entrevista ao diário italiano Corriere della Sera.

No seu projeto de orçamento para 2017, o Governo italiano introduziu uma disposição que anula juros e multas devidas por falta de pagamento de impostos, mas, questionado sobre o tema, Maradona manteve-se irredutível.

"Eu não devo nada a ninguém e, apesar de ser inocente, sou tratado como um dos piores criminosos do mundo. Eu sou o único no mundo a quem foram apreendidos brincos e relógios", disse o ex-jogador argentino, tido como um dos melhores futebolistas da história.

Maradona quer que os investigadores "estudem melhor o caso" e acrescentou que dessa forma chegariam a conclusão de que não deve "nenhum euro ao Estado".

Em 2005, Diego Maradona foi condenado pelo Supremo Tribunal de Itália ao pagamento de 37,2 milhões de euros, dos quais 23,5 milhões de juros, por dívidas ao fisco. O valor ascende agora a mais de 40 milhões.

Em 2006, o fisco italiano apreendeu ao argentino dois relógios de luxo, avaliados em 11 milhões de euros, quando se encontrava em Nápoles para um jogo de beneficência, e, em 2009, um par de brincos com brilhantes que foi leiloado por 25.000 euros.

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.