sicnot

Perfil

Desporto

Maradona, acusado de fraude fiscal, diz que "não deve nada a ninguém"

O ex-futebolista argentino Diego Maradona, acusado de fraude fiscal em Itália há 25 anos, época em que jogava no Nápoles, disse hoje que "não deve nada a ninguém" e recusa pagar mais de 40 milhões de euros.

"Há mais de 25 anos, reclamam injustamente mais de 40 milhões de euros, dos quais 35 milhões de juros e multas, por alegada evasão fiscal, considerada inexistente por todos os juízes", afirmou o argentino numa entrevista ao diário italiano Corriere della Sera.

No seu projeto de orçamento para 2017, o Governo italiano introduziu uma disposição que anula juros e multas devidas por falta de pagamento de impostos, mas, questionado sobre o tema, Maradona manteve-se irredutível.

"Eu não devo nada a ninguém e, apesar de ser inocente, sou tratado como um dos piores criminosos do mundo. Eu sou o único no mundo a quem foram apreendidos brincos e relógios", disse o ex-jogador argentino, tido como um dos melhores futebolistas da história.

Maradona quer que os investigadores "estudem melhor o caso" e acrescentou que dessa forma chegariam a conclusão de que não deve "nenhum euro ao Estado".

Em 2005, Diego Maradona foi condenado pelo Supremo Tribunal de Itália ao pagamento de 37,2 milhões de euros, dos quais 23,5 milhões de juros, por dívidas ao fisco. O valor ascende agora a mais de 40 milhões.

Em 2006, o fisco italiano apreendeu ao argentino dois relógios de luxo, avaliados em 11 milhões de euros, quando se encontrava em Nápoles para um jogo de beneficência, e, em 2009, um par de brincos com brilhantes que foi leiloado por 25.000 euros.

Lusa

  • Tiroteio no Mississipi provoca oito mortos
    1:23

    Mundo

    Oito pessoas morreram, incluindo um polícia, depois de um tiroteio no estado norte-americano do Mississipi, nos Estados Unidos da América. O suspeito, um homem de 36 anos, já foi detido, mas as autoridades dizem que ainda é cedo para saber os motivos.

  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Polícia usa gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes contra cimeira do G7
    2:28

    Mundo

    A cimeira do G7 terminou este sábado com confrontos entre manifestantes e a polícia na ilha italiana da Sicília e sem o compromisso de Donald Trump sobre o Acordo de Paris para a redução de emissões de dióxido de carbono. O Presidente dos EUA fez saber na rede social Twitter que vai tomar a decisão final durante a próxima semana.