sicnot

Perfil

Desporto

Miguel Leal diz que "qualquer pessoa percebe" que o Boavista precisa de retoques

JOS\303\211 COELHO

O treinador do Boavista admitiu esta terça-feira que a equipa da I Liga de futebol precisa de alguns retoques, por exemplo na linha avançada, acrescentando que "qualquer pessoa percebe isso" e que essa poderá ser uma "prioridade para janeiro"

Miguel Leal falava na conferência de imprensa de antevisão da partida com o Nacional, na quinta-feira, às 17:00, para a 15.ª jornada, e concordou que a equipa, com 14 golos marcados, tem uma produção ofensiva insuficiente.

"Quando não se tem um finalizador, temos de trabalhar mais os outros jogadores. Demora mais tempo. Neste momento, ainda não encontrámos um finalizador dentro da equipa", afirmou.

Miguel Leal acrescentou que, "às vezes, isso tem a ver com índices de confiança".

"Já vi avançados e finalizadores passarem por fases em que nada acontece e de um momento para o outro tudo acontece", referiu, frisando que "é como as equipas que passam momentos bons e depois menos bons".

O treinador boavisteiro prosseguiu dizendo que é preciso "paciência e arranjar soluções" para esse problema.

"É isso que andamos a treinar. Se reparar, os golos têm sido marcados por gente que normalmente não joga na linha da frente", salientou.

A prioridade para janeiro, mês em que o mercado reabre, "poderá passar" pela contratação de um goleador, "se for possível".

Miguel Leal disse que ainda fez a lista das necessidades para a equipa, mas admitiu que a equipa precisa de ser retocada. "Qualquer pessoa percebe isso", vincou.

Depois do encontro com o Nacional, segue-se nova paragem no campeonato e o treinador afirmou que quer "fazer um balanço do que foi feito" desde que assumiu funções como técnico do Boavista, há cerca de dois meses, e "ajustar alguns objetivos e algumas necessidades coletivas, que têm de ser resolvidas".

Miguel Leal já tem mais opções para o embate com os madeirenses, visto que Henrique, Idris e Bukia cumpriram os quatro jogos de castigo que lhes foram aplicados.

Henrique, porém, e Fábio Espinho encontram-se lecionados e tudo indica que não serão opção. Ainda assim, Miguel Leal tem mais por onde escolher, até porque o lateral direito Tiago Mesquita "já estará disponível".

"São mais opções que vão dar mais força à equipa", saudou, admitindo, em função disso, "fazer algumas alterações" para o Nacional.

O técnico não espera facilidades e alertou para os "muitos imponderáveis" associados ao clima adverso que, por vezes, se faz sentir no palco do jogo, a Choupana, e à necessária "adaptação" a esse cenário.

O Nacional "é uma equipa que tem bons jogadores e não está num momento bom, mas tudo pode acontecer".

"Não é uma equipa regular. É muito forte nos cruzamentos, lances de bola parada, no contra-ataque e em treinada. Vai ser um jogo equilibrado. Temos que ser mais serenos e fazer o nosso jogo", acrescentou, assinalando ainda que o Boavista, ganhando, pode sair da Madeira numa "posição mais tranquila"

O Boavista, 14.º classificado, com 14 pontos, visita o Nacional, 15.º, com menos três pontos, na quinta-feira (17:00), num jogo que vai ser arbitrado por João Pinheiro, da Associação de Futebol de Braga.

Lusa

  • "Joguem à bola"
    1:35

    Desporto

    Cerca de uma centena de adeptos do Sporting esperaram até perto das 3:00 pela chegada da equipa ao estádio de Alvalade. Depois da eliminação da Taça de Portugal, em Chaves, foi necessário o reforço policial para garantir a segurança da comitiva leonina.

  • Oposição diz que défice abaixo dos 2,3% se deve ao aumento de impostos
    2:24

    Economia

    O défice de 2016 vai ficar abaixo dos 2,3%, uma garantia dada pelo primeiro-ministro durante o debate quinzenal desta terça-feira. A oposição diz que o resultado é bom para o país mas que se deve a um aumento de impostos, feito pelo Governo no ano passado, e ao trabalho do PSD e do CDS nos anos anteriores.

  • Obama encurta pena de delatora do Wikileaks
    1:45
  • Putin sai em defesa de Trump
    2:29

    Mundo

    Vladimir Putin já saiu em defesa de Donald Trump e diz que houve uma tentativa de minar o Presidente eleito dos Estados Unidos, através de um alegado relatório, atribuido à espionagem russa. Putin diz que o relatório é falso.