sicnot

Perfil

Desporto

Mónaco obrigado a pagar 11,7 milhões de euros às autoridades fiscais espanholas

Lionel Cironneau

O Mónaco foi obrigado a pagar cerca de 11,7 milhões de euros às autoridades fiscais espanholas na sequência da venda para o país ibérico dos futebolistas James Rodriguez, Ferreira Carrasco e Abdennour.

O site Mediapart, que divulgou a informação com base na plataforma digital Football Leaks, que investiga os negócios da modalidade, questionou o clube monegasco, que reconhece um "litígio em curso", mas não confirmou os valores.

"Os valores foram pagos, mas contestados. Como tal, não podemos dar mais informações", respondeu o clube treinado pelo português Leonardo Jardim.

No verão de 2015, as autoridades fiscais espanholas reclamaram 5,1 milhões de euros de imposto sobre os proveitos com a venda do belga Yannick Ferreira Carrasco ao Atlético de Madrid e do tunisiano Aymen Abdennour ao Valência.

Posteriormente, analisaram a transferência do ex-portista James Rodriguez para o Real Madrid, em 2014, situação que a Mediapart avalia num imposto a rondar os 6,6 milhões de euros.

No direito espanhol, um decreto de 1991 situa o principado do Mónaco na lista dos paraísos fiscais, pelo que o clube deve pagar um imposto de 19 por cento sobre os ganhos de capital nas vendas para Espanha.

O Football Leaks junta diversos órgãos de informação europeus em investigação sobre os negócios de futebol, tendo, entre outras coisas, denunciado alegada evasão fiscal de estrelas como Cristiano Ronaldo e José Mourinho, da Gestifute liderada por Jorge Mendes, um dos maiores agentes do mundo.

Lusa

  • Português de 15 anos morre em estância de esqui em Espanha

    País

    Um jovem português morreu esta quarta-feira numa estância de esqui, em Espanha. O rapaz de 15 anos queixou-se de dores de cabeça e foi transportado para a Unidade de Cuidados de Saúde da Estância de Esqui, onde acabou por morrer.

    Em desenvolvimento

  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.