sicnot

Perfil

Desporto

Treinador do Nacional acredita no triunfo na receção ao Boavista

O treinador do Nacional, Manuel Machado, considerou esta quarta-feira que os resultados não têm correspondido aos desempenhos da equipa, mas espera um conjunto confiante, na quinta-feira, na receção ao Boavista, da 15.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol.

Manuel Machado deu como exemplo o último jogo, com o Rio Ave, que, na sua opinião, não teve um resultado condizente com a prestação. "Viu-se um conjunto sempre empenhado e isso esteve tão patente que não se sabia quem era a equipa mais bem classificada", observou Manuel Machado, na conferência de imprensa de antevisão ao jogo com o Boavista.

O treinador dos "alvinegros" assumiu que os fatores enumerados deixam a equipa muito confiante para vencer o Boavista, pedindo "uma pontinha de sorte na hora da finalização".

Instado a comentar o peso do 15.º lugar, com apenas um ponto acima do último, Machado diz que "a pressão e a ansiedade são normais", mas reconheceu "algum desconforto, que é normal, devido à classificação que não é nada normal nesta altura e nada condizente com o desempenho nos jogos".

O treinador nacionalista disse não acreditar num Boavista muito defensivo: "esta época, aquilo a que a imprensa costuma chamar autocarro (à frente da baliza) não tem sido muito visível. Isso tem a ver com os momentos do jogo e a necessidade das equipas, que, a dado momento, podem mudar para um bloco mais baixo, mas isso já não é tão visível me termos globais", destacou.

Quanto ao Boavista, Manuel Machado considera que, apesar da mudança de treinador, com a entrada de Miguel Leal para olugar de Erwin Sánchez), o perfil do jogo não se alterou. "A equipa tem momentos de jogar em bloco alto e outros em bloco baixo. É uma equipa rápida quando tem a bola e uma organização de ataque planeado em modo pautado".

Relativamente às muitas lesões na sua equipa esta época, o treinador garantiu que "os problemas continuam, mas é com os jogadores disponíveis que tem de ser encarar os jogos".

O Nacional, 15.º classificado, com 11 pontos, e o Boavista, 14.º, com 14, defrontam-se no Estádio da Madeira, no Funchal, a partir das 17:00 de quinta-feira, em jogo com arbitragem de João Pinheiro, da associação de Braga.

Com Lusa

  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.