sicnot

Perfil

Desporto

Kuwait pede à FIFA suspensão da proibição das atividades desportivas locais

© Ruben Sprich / Reuters

O governo do Kuwait pediu esta sexta-feira à FIFA e ao Comité Olímpico Internacional (COI) que "suspendam temporariamente a proibição das atividades desportivas no país até que as leis locais sejam revistas", informou a agência kuwaitiana de notícias KUNA.

Em outubro do ano passado, corporações desportivas mundiais lideradas pela FIFA e pelo COI suspenderam o Kuwait, pela segunda vez desde 2010, devido a projetos de leis que violavam as leis internacionais do desporto.

No comunicado divulgado, a autoridade desportiva do emirado árabe anunciou que está a fazer "sérios e implacáveis esforços" para que a proibição seja suspensa e que o parlamento vai realizar uma reunião na próxima terça-feira para retificar as referidas leis.

Devido a esta suspensão, o Kuwait não pôde estar presente nos Jogos Olímpicos Rio2016 nem participar na qualificação para o Mundial2018 e espera agora "conseguir competir nas eliminatórias da Taça Asiática de 2019".

O deputado Abdulwahab al-Babtain disse na segunda-feira, na rede social Twitter, que o governo prometeu elaborar uma nova lei em seis meses, em conformidade com a Carta Internacional de Desporto, e que a FIFA e o COI serão convidados a comparecer no Kuwait para que a legislação seja aprovada por todas as partes envolvidas.

Lusa

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • Estarão os portugueses a consumir vitamina D em excesso? 
    6:44
  • Investigadores criam nanovacina contra diferentes cancros

    Mundo

    Investigadores da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, desenvolveram uma nanovacina (vacina administrada através de partículas microscópicas) contra diferentes cancros, como o da pele, do cólon e do reto, numa experiência com ratos, revela um estudo publicado esta segunda-feira.