sicnot

Perfil

Desporto

Cesare Prandelli deixou o Valência por falta de condições e de paixão

© Osman Orsal / Reuters

O treinador italiano Cesare Prandelli, que se demitiu na sexta-feira do comando técnico do Valência, justificou hoje a saída do clube espanhol de futebol porque "as condições não se ajustavam às esperadas".

Numa declaração aos jornalistas, sem direito a perguntas, o antigo selecionador de Itália, que tinha chegado ao clube 'che' a 1 de outubro, reconheceu que os proprietários do clube "são muito respeitáveis e de números, mas o futebol é um sentimento que vai mais além e precisa de paixão".

"Queria abrir Paterna (centro de estágio) aos adeptos, mas o clube disse-me que não era possível. Tentei falar com a imprensa e vi que havia uma 'lista negra'. Ficarmos fechados prejudicava-nos", começou por explicar o treinador italiano.

O técnico disse ter colaborado com o clube "em silêncio" e que lhe foi prometido que em janeiro, na reabertura de mercado, que a "equipa seria reforçada".

"Peter Lim (proprietário do Valência) esteve de acordo e disse a Suso (Jesus Garcia Pitarch, diretor-desportivo) que íamos concentrar todos os esforços em Simone Zaza (emprestado pela Juventus ao West Ham)", revelou Prandeli.

O técnico transalpino acrescentou que, depois de falar com o pai do avançado e com o próprio jogador, informou Garcia Pitarch e a presidente do Valência, Layhoon Chan, que tudo estava definido para o jogador se apresentar em Valência a 27 de janeiro, após o Natal.

"Zaza é um jogador com grande personalidade e ao Valência faltam futebolistas com essas caraterísticas. Por vezes, o estádio e os adeptos pedem-nos", considerou Prandeli, que estranhou a ausência do compatriota depois da quadra natalícia.

O treinador negou ter pedido quatro reforços e que a 29 de janeiro, na véspera da demissão, lhe tinham dado 24 horas para escolher um médio ou um ponta de lança.

"Se antes estava claro que seriam garantidos quatro reforços e depois era só um, e nem sequer estava contratado, alguma coisa não estava a bater certo", disse.

Face a esta 'mudança de planos', Prandeli recusou "flutuar, como acontece a muitos treinadores", e pediu a demissão, com a consciência que fez "tudo o que era possível".

"Vou emocionado e triste, porque, quando termina um sonho, emergem os sentimentos. Sabia que o desafio era difícil, mas tentámos tudo o que era possível para ajudar o Valência", garantiu.

Depois desta declaração aos jornalistas, Prandeli recusou responder a perguntas "para evitar a polémica".

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.