sicnot

Perfil

Desporto

China quer limitar contratações "irracionais" de futebolistas estrangeiros

O futebolista argentino Carlos Tévez tornou-se recentemente o jogador mais bem pago do mundo, depois de assinar por um clube chinês.

© Marcos Brindicci / Reuters

O órgão responsável pela regulação do desporto na China criticou esta quinta-feira o "irracional" gasto dos clubes de futebol do país, com a chegada de algumas estrelas internacionais, e ameaçou introduzir limitações a estes investimentos.

Um porta-voz da administração geral do Desporto assinalou a necessidade de se estabelecer um "valor máximo na compra de futebolistas e dos seus salários", assim como combater aquilo que considerou serem "gastos irracionais".

O responsável, que falou em declarações ao sítio oficial da administração geral, não indicou nomes de futebolistas, mas a posição surge poucos dias após as contratações do brasileiro Óscar, ao Chelsea, e Carlos Tévez, ao Boca Juniors.

O internacional brasileiro chega ao Shangai SIPG, treinado pelo português André Villas-Boas, por 60 milhões de euros, naquela que é a contratação mais cara do futebol asiático, enquanto Tévez assinou pelo Shangai Shenshua, por 38 milhões/época.

Após estas contratações, a imprensa internacional tem revelado que os clubes chineses estariam dispostos a pagar centenas de milhões de euros em salários a jogadores como Cristiano Ronaldo e Lionel Messi.

O organismo critica também a compra em grande escala de clubes estrangeiros por empresários asiáticos, entre os casos os do AC Milan, Inter de Milão ou Aston Villa e defende que a aquisição de jogadores estrangeiros deveria ser compensada com uma percentagem para o desenvolvimento do futebol de base.

O governo chinês chegou a criar um programa a longo prazo no sentido de fazer crescer o futebol do país, mas os investimentos têm sido canalizados para a compra de estrangeiros e não numa aposta na formação.

O Guangzhou Evergrande, campeão chinês desde 2011 e treinado por Scolari, chegou mesmo a vencer duas vezes a Liga dos Campeões Asiática, mas a seleção chinesa continua num nível baixo no 'ranking' mundial (82.ª).

Lusa

  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.