sicnot

Perfil

Desporto

Conferência de imprensa do treinador do Sporting cancelada

O Sporting anunciou hoje que não realizará qualquer tipo de atividade com a imprensa até ao jogo com o Marítimo, referindo que o clube esta a ser "desrespeitando por algumas instâncias que regulam o futebol".

"O Sporting Clube de Portugal informa que não realizará qualquer tipo de atividade media da sua equipa principal de futebol profissional, para além do que está regulamentarmente estipulado, voltando a fazê-lo antes do jogo com o Club Sport Marítimo", refere o clube em comunicado.


A conferência de antevisão do jogo do Sporting com o Desportivo de Chaves, da 17.ª jornada da I Liga, estava marcada para hoje no estádio José Alvalade, mas já não se irá realizar, com o clube a defender que existe um "desrespeito pela instituição".
"Esta decisão decorre daquilo que o Sporting Clube de Portugal considera ser o desrespeito pela instituição e pelos seus sócios e adeptos, por parte de algumas instâncias que regulam o futebol português", salienta.


No entanto, o clube 'leonino' manifestou "total respeito pelo trabalho de todos os jornalistas e órgãos de comunicação social, que têm sido, e continuarão a ser o principal veículo de contacto" com os sócios e adeptos.


O jogo com o Marítimo, no Funchal, está marcado para 21 de janeiro e integra a 18.ª jornada, a primeira da segunda volta da I Liga.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Viver em Évora
    5:11
  • Ano letivo "de uma maneira geral começou bem"

    País

    O Presidente da República considerou esta sexta-feira que o ano letivo "de uma maneira geral começou bem" e defendeu a possibilidade serem feitas "correções" a situações "injustas ou discutíveis" entre os concursos que se realizam de quatro em quatro anos.