sicnot

Perfil

Desporto

Conferência de imprensa do treinador do Sporting cancelada

O Sporting anunciou hoje que não realizará qualquer tipo de atividade com a imprensa até ao jogo com o Marítimo, referindo que o clube esta a ser "desrespeitando por algumas instâncias que regulam o futebol".

"O Sporting Clube de Portugal informa que não realizará qualquer tipo de atividade media da sua equipa principal de futebol profissional, para além do que está regulamentarmente estipulado, voltando a fazê-lo antes do jogo com o Club Sport Marítimo", refere o clube em comunicado.


A conferência de antevisão do jogo do Sporting com o Desportivo de Chaves, da 17.ª jornada da I Liga, estava marcada para hoje no estádio José Alvalade, mas já não se irá realizar, com o clube a defender que existe um "desrespeito pela instituição".
"Esta decisão decorre daquilo que o Sporting Clube de Portugal considera ser o desrespeito pela instituição e pelos seus sócios e adeptos, por parte de algumas instâncias que regulam o futebol português", salienta.


No entanto, o clube 'leonino' manifestou "total respeito pelo trabalho de todos os jornalistas e órgãos de comunicação social, que têm sido, e continuarão a ser o principal veículo de contacto" com os sócios e adeptos.


O jogo com o Marítimo, no Funchal, está marcado para 21 de janeiro e integra a 18.ª jornada, a primeira da segunda volta da I Liga.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.