sicnot

Perfil

Desporto

Silverstone em negociações para manter GP da Grã-Bretanha de F1

© Andrew Boyers / Reuters

Os diretores do circuito de automobilismo de Silverstone revelaram esta sexta-feira a existência de negociações com o Governo britânico para manter o Grande Prémio da Grã-Bretanha em Fórmula 1 depois de 2019.

A prova é presença constante no calendário da Fórmula 1 desde 1950 e existe um acordo com a competição, desde 2010, para aí se manter até 2027, mas o British Racing Drivers' Club, dono do circuito, equaciona ativar uma cláusula de rescisão do contrato em 2019.

As razões para a possível desistência prendem-se com as dificuldades financeiras, uma vez que Silverstone não recebe apoio estatal, o que acontece em vários outros circuitos F1.

Derek Warwick, que lidera o clube, explicou hoje que existem "conversas com o governo para perceber em que podem ajudar".

Também os novos donos da Fórmula 1, o grupo norte-americano Liberty Media, e o director Bernie Ecclestone estão a par das dificuldades através de "várias reuniões" onde mostraram disponibilidade para 'salvar' a prova.

"Sinto que há 'luz ao fundo do túnel' e acho que teremos cá o Grande Prémio depois de 2019", rematou Warwick.

Lusa

  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.